.........

CVM investiga compra de dólares e venda de ações pelo frigorífico

.........

EBC

A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) investiga informações de que o grupo J&F operou no mercado financeiro para lucrar com os efeitos da delação premiada fechada por seus controladores e executivos. São dois os focos da averiguação: compra de dólares pela JBS e venda de ações da empresa pelos controladores. Um grupo de profissionais da autarquia começou a reunir informações iniciais disponíveis e encontrou, de fato, indícios da forte atividade.

Até o momento, os dados colhidos indicam que o grupo não foi o único comprador. A partir de agora será feito um escrutínio do comportamento histórico das empresas no mercado de câmbio.

O Valor apurou que a autarquia avalia formas de atuar para coibir a atividade. Há preocupação para que a questão não se transforme só num processo sancionador cuja pena, eventualmente, será aplicada num futuro distante do fato.

Segundo fonte qualificada, os órgãos reguladores do mercado financeiro tomaram conhecimento de que pode ter havido um grande volume de compra de dólares pelo grupo. De acordo com essas informações, uma posição comprada na moeda americana que pode superar o US$ 1 bilhão teria sido montada por volta entre as 17h e as 18h horas (na negociação estendida do pregão do mercado de câmbio na BM&F) do dia 17 de maio, poucas horas antes da revelação da delação do grupo.

Tal posição teria sido construída por meio de diversas corretoras de câmbio, a mando da JBS. A operação, portanto, não teria sido feita pelo Banco Original, que também pertence ao grupo, mas sim pelo frigorífico, que tem uma grande mesa de câmbio. O dólar comercial fechou com alta de 8,06%, hoje, cotado a R$ 3,3836, na maior valorização num único dia desde a maxidesvalorização do real de janeiro de 1999.

Dados da B3 mostram que empresas não financeiras ampliaram na quarta-feira sua aposta líquida comprada em dólar em 31%. A posição que ganha com a alta da moeda americana saiu de 13.880 contratos no fim da segunda-feira para 23.240 na quarta. No total, esse grupo de investidores sustenta aposta comprada em dólar no valor de US$ 1,162 bilhão. Algumas grandes companhias exportadoras têm mesas próprias de atuação nos mercados derivativos.

Já a venda de ações da JBS pelos controladores aconteceu em abril, quando a delação já estava em andamento. Na ponta compradora, estava a própria companhia.

Os controladores da JBS venderam o equivalente a R$ 327,4 milhões em ações da empresa durante o mês de abril, nos dias 20, 24, 25, 26, 27 e 28 – um total de 31,8 milhões de papéis. De 24 a 27 de abril, a tesouraria da JBS comprou 19,3 milhões de ações da própria empresa – perto de R$ 200 milhões.

As informações constam do formulário mensal enviado pela empresa à CVM, exigido de todas as companhias abertas, para monitoria de movimentos de "insiders" – empresa, controladores, conselheiros e diretoria. Quem vendeu os papéis foi a FB Participações, controlada pela J&F Participações, holding dos diversos negócios do grupo. A fatia da FB no capital da JBS passou de 44,35% para 43,2%.

Os depoimentos dos irmãos Joesley e Wesley Batista no âmbito da delação premiada homologada pelo Supremo Tribunal Federal foram colhidos entre abril e maio.

As vendas de abril foram os primeiros movimentos dos controladores no período de um ano. (Colaborou José de Castro)

 

Por Graziella Valenti e Vanessa Adachi | De São Paulo

Fonte : Valor