.........

Cuiabá (MT) sediará sexta edição do Congresso Brasileiro de Soja

.........

Encontro ocorre pela primeira vez na cidade entre 11 e 14 de junho

Lauro Alves

Foto: Lauro Alves / Agencia RBS

Especialistas discutirão a cadeia da soja em junho em Cuiabá

A cada três anos os principais pesquisadores e especialistas da cadeia da soja no Brasil e no mundo se reúnem para debater os avanços e os desafios do setor no Congresso Brasileiro de Soja. Realizado desde 1999 em Londrina (PR), em 2012 o encontro ocorre pela primeira vez em Cuiabá (MT). Os organizadores do Congresso fizeram a apresentação oficial do evento à imprensa nesta quinta, dia 29. O crescimento da cultura da soja na região Centro-Oeste justificou a escolha da capital mato-grossense para sediar a sexta edição do Congresso, que acontece entre 11 e 14 de junho.
—  É uma satisfação realizar (o Congresso) aqui em Mato Grosso. As primeiras (edições) foram no Paraná e o último em Goiás. Agora chegamos em Mato Grosso e era hora de acontecer aqui pela importância do Estado na produção de soja no Brasil e também de outras cadeias do complexo soja — avalia o presidente do Congresso Brasileiro de Soja, Ricardo Adbelnoor.
O tema do evento em 2012 será “Soja, integração nacional e desenvolvimento sustentável”.
— Este é o tema principal do Congresso, pensando qual o papel que a soja exerceu no Estado de Mato Grosso. Vimos que a soja foi fator determinante para o desenvolvimento do Estado, cidades e indústrias. Vemos isso como fator de integração nacional e não podemos deixar de pensar que soja tem que ser sustentável. Mato Grosso tem avançado nisso — diz Adbelnoor.
A programação também prevê diversos debates. O principal deve ser sobre a biotecnologia.
— Com toda certeza é importante discutirmos a biotecnologia. Como vai se proceder o pagamento de royalties, modelo de cobrança, o que os produtores esperam da biotecnologia, quais gargalos espera resolver — diz o presidente da Associação dos Produtores de Soja do Estado de Mato Grosso (Aprosoja-MT), Carlos Fávaro.
— Nós sabemos trabalhar, mas sem a pesquisa não teríamos esta oportunidade e o mundo não teria a oferta de alimentos nesta abundância. A importância deste momento, onde o foco é a integração e sustentabilidade, faz-se necessário a integração das entidades e fazer com que as pesquisas avancem muito para tirar este grande problema — afirma o produtor rural Nelson Piccoli.
A expectativa dos organizadores é de que duas mil pessoas participem do evento.

Fonte: Ruralbr | CANAL RURAL