Cresce o estoque de grãos nos EUA

Os americanos tinham 8,19 milhões de toneladas de soja em estoque no dia 1º de setembro, segundo levantamento do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) divulgado na sexta-feira. Esse volume é 53% superior ao observado no mesmo período do ano passado, quando o país ainda amargava os reflexos de uma quebra de safra.

Apesar do aumento, o volume divulgado foi inferior à média das projeções de analistas ouvidos pelo The Wall Street Journal, que era de 9,23 milhões de toneladas. Com isso, as cotações do grão ganharam alguma sustentação da bolsa de Chicago.

Do total calculado pelo USDA, 2,39 milhões de toneladas de soja estavam nas mãos dos produtores, 112% mais que em igual intervalo de 2016. O volume restante – 38% na mesma comparação – já estava fora das fazendas.

No caso do milho, o USDA apontou que 58,17 milhões de toneladas estavam em estoque no dia 1º de setembro, um incremento de 32%. Mas o volume divulgado também foi inferior à média das expectativas dos analistas, que era de 59,67 milhões de toneladas, e a reação em Chicago foi igualmente "altista".

Do volume total do cereal estocado, 20 milhões de toneladas estavam com os fazendeiros, 25% mais que na mesma data do ano passado. Outras 38,17 milhões de toneladas estavam com traders, atravessadores, esmagadores e indústrias.

O USDA também informou, finalmente, que os estoques de trigo do país somavam 61,23 milhões de toneladas no início do mês passado, 11% menos que no mesmo período de 2016. Mas, nesse caso, o volume veio acima da média das apostas de analistas, e com isso as cotações perderam fôlego nas bolsas americanas.

Do volume de trigo no país, 13,31 milhões de toneladas estava em fazendas, com queda de 33%. Fora delas havia 47,9 milhões de toneladas, 3% menos que em 1º de setembro de 2016.

Por Fernanda Pressinott | De São Paulo

Fonte : Valor