Conab eleva estimativa para a colheita na temporada 2015

A produção brasileira de café na safra 2015/16 deve totalizar 43,24 milhões de sacas, segundo o último levantamento da Conab, divulgado ontem, e que monitora o período de pós-colheita do grão. O volume é 5,3% inferior às 45,64 milhões de sacas do ciclo anterior, mas supera as 42,15 milhões de sacas estimadas anteriormente pela Conab para safra 2015/16.

Em relatório, a Conab informou que a estimativa foi elevada devido "principalmente ao ganho na carga produtiva de café em coco, mensurada durante a colheita, além do aumento no rendimento do café no beneficiamento".

A autarquia observa que os problemas climáticos no fim de 2014 e início deste ano "se traduziram em menor desenvolvimento dos grãos, reduzindo substancialmente o percentual de cafés com peneira 17 e acima (…), comprometendo as expectativas iniciais de produção de café". Mas, com a volta de chuvas em fevereiro deste ano, os cafezais foram beneficiados "em termos de enfolhamento" e de "retenção da carga produtiva", apesar da alta incidência de grãos miúdos.

Do volume total estimado para 2015/16, 74,1% se refere à produção de arábica, que deve alcançar 32 milhões de sacas, 1,7% menos que ciclo anterior. Já a produção da espécie conilon deverá somar 11,19 milhões de sacas, com redução de 14,2% devido a problemas climáticos nas áreas de produção.

Ainda conforme o levantamento da Conab, a área total plantada no país com café soma 2,248 milhões de hectares, ou 0,9% a menos que no ciclo anterior. A área destinada ao arábica é de 1,766 milhão de hectares, 1,1% de queda em relação à safra anterior.

A Conab estimou que a produtividade para o ciclo é de 22,49 sacas de café por hectare, redução de 3,4% em relação à safra anterior. Minas Gerais, Paraná, Bahia, Rondônia e Rio de Janeiro tiveram aumento de produtividade. Os demais Estados apresentaram rendimento menor, em decorrência da restrição hídrica que atingiu as principais regiões de café do país, especialmente o Sudeste.

Nesse cenário de clima adverso, a variedade arábica foi menos afetada que o conilon, com aumento de 0,9% na média de produtividade nacional, de acordo com a Conab. Já a produtividade do conilon caiu 14,4% – o equivalente a um recuo de 4,25 sacas por hectare na média do país. (Colaborou Alda do Amaral Rocha, de São Paulo)

Por Bettina Barros | De São Paulo

Fonte : Valor