.........

Comissão discutirá impactos da redução de recursos para seguro rural

.........

Apesar da diminuição do número de apólices contratadas, maioria dos agricultores não tem acesso ao benefício

por Globo Rural On-line, com informações da Agência Câmara

  shutterstock

A comissão de Agricultura, Pecuária, Abastecimento e Desenvolvimento Rural realiza, nesta terça-feira (27/3), uma audiência pública para debater sobre os impactos da redução de recursos do Ministério da Agricultura para oPrograma de Subvenção ao Prêmio do Seguro Rural (PSR).
O programa concede auxílio financeiro a produtores para a contratação do seguro, que é utilizado para proteger a produção de riscos causados por adversidades climáticas. Para ter acesso ao benefício, o agricultor deve procurar uma seguradora habilitada pelo ministério no PSR.
Segundo o deputado Luis Carlos Heinze (PP-RS), estatísticas oficiais demonstram que os recursos orçamentários empregados na subvenção ao prêmio do seguro e o número de apólices contratadas vêm diminuindo nos últimos anos. Em 2010, de acordo com o parlamentar, os valores empenhados (R$ 198 milhões) foram 23,6% menores que em 2009. Em 2011, o valor foi maior (R$ 253 milhões), mas, ainda assim, 2% menor que o aplicado em 2009. “As verbas também são, frequentemente, objeto de contingenciamento”, lembra.
Heinze ressalta ainda que a Lei 10.832/03, que deu origem ao seguro rural, representa importante marco para odesenvolvimento do agronegócio. Ele destaca, no entanto, que as iniciativas governamentais ainda não conseguiram levar o seguro à maioria dos agricultores. “Nossa intenção, ao propor a audiência pública, é fazer com que a comissão retome o debate, a fim de obter as linhas de ação necessárias para a efetiva implantação do seguro agrícola no país, o que dará mais segurança à atividade produtiva da agropecuária”, conclui.

Fundo de Catástrofe

A audiência também discutirá a falta de regulamentação do Fundo de Catástrofe, criado pela Lei Complementar 137/10. Na época, o governo prometeu destinar R$ 4 bilhões, em títulos, para ressarcir produtores rurais atingidos por desastres climáticos, como secas e enchentes. Heinze lembra, no entanto, que não há previsão orçamentária para implementar o fundo neste ano.

Fonte:  Globo Rural