Coisa séria: movimento de caminhoneiros faz Aurora paralisar frigoríficos

Estado pelo qual eu ando bastante, Santa Catarina, que possui centenas de empresas ligadas ao agronegócio, está sentindo a paralisação dos caminhoneiros. É o que informam os diretores da Coopercentral Aurora, cuja sede fica em Chapecó, no oeste do Estado. Segundo eles, a cooperativa, formada em sua maioria por pequenos produtores que tocam sua atividade junto com a família, está  paralisando ou reduzindo a atividade de plantas frigoríficas. Coisa séria.

Chegam informações que os caminhões que transportam rações aos estabelecimentos – eles são mais de 15.000 – são parados nas barreiras levantadas pelas estradas. Os diretores da Aurora lembram que há mais de 25 milhões de cabeças de aves e de suínos alojadas nas granjas associadas à cooperativa. A situação é dramática, alerta o presidente da Aurora, Mario Lanznaster. Segundo ele, a falta de nutrientes pode provocar até canibalismo e alta mortalidade, principalmente entre aves. No caso do leite, as propriedades têm capacidade de armazenar a produção por apenas dois dias.

Tem mais consequências: a Aurora informa que o frigorífico de aves (abate 145 mil frangos/dia) de Maravilha suspendeu 100% sua atividade. Também o de São Miguel do Oeste (abate 1.900 suínos/dia), afirma a Aurora. Segundo Mário Lanznaster, mais 7 plantas podem ser fechadas, podendo ocasionar prejuízo de 8 milhões/dia.

A diretoria da Aurora não criticou o movimento dos caminhoneiros, mas reclamou da falta de coordenação e da ausência de interlocutores. Lamentou também que famílias rurais e cooperativas estejam sendo penalizadas.

(Foto: Sérgio Zacchi/Ed. Globo)

Fonte: Globo Rural