.........

Câmbio infla projeção para exportação de soja em R$ 10 bi

.........

Ainda que a Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais (Abiove) tenha mantido, em relatório de oferta e demanda divulgado ontem, sua projeção para a receita em dólar das exportações de soja e derivados (farelo e óleo) do país em 2015 no mesmo patamar estimado em dezembro, a valorização da moeda americana desde então passou a representar um "alento" de quase R$ 10 bilhões às tradings. E isso mesmo com a moeda americana já bem abaixo do pico deste ano, alcançado em meados de março.

Em seu novo levantamento, a Abiove passou a prever a receita das exportações do "complexo soja" neste ano em US$ 23,367 bilhões, 25,6% menos que em 2014 (US$ 31,408 bilhões). O valor é apenas US$ 102 mil superior ao estimado em dezembro e divulgado em fevereiro, mas, como o dólar não é mais aquele – o Ptax passou de uma média de R$ 2,6393, em dezembro, para R$ 3,0520 ontem, de acordo com o Valor Data -, na moeda brasileira o salto na comparação entre as projeções para 2015 é de R$ 61,405 bilhões para R$ 71,316 bilhões.

Para a receita dos embarques de soja em grão, a Abiove manteve, no relatório de ontem, sua projeção para 2015 em US$ 17,76 bilhões, 23,7% menos que em 2014. O volume tende a aumentar 5,1%, para 48 milhões de toneladas neste ano, mas o preço médio da tonelada exportada deverá cair 27,3% nas contas da Abiove, para US$ 370. Em abril, conforme a Secretaria de Comércio Exterior (Secex), a tonelada foi para o exterior por US$ 386,90, em média.

Ainda segundo a Abiove, as exportações de farelo de soja do país renderão US$ 4,851 bilhões neste ano, 30,7% abaixo de 2014, resultado de um volume 7,2% superior (14,7 milhões de toneladas), mas de um preço médio 35,3% menor – US$ 330 a tonelada, patamar 15,7% mais baixo que a média de abril apurada pela Secex. No caso do óleo, a entidade acredita que os embarques chegarão a US$ 756 milhões, uma retração de 33,1% sobre o ano passado, fruto de um volume 19,5% mais baixo (1,050 milhão de toneladas) e de um preço médio 16,9% inferior (US$ 720 a tonelada). Em abril, a tonelada embarcada saiu, em média, por US$ 681,8, de acordo com a Secex.

No relatório divulgado ontem, a Abiove elevou a previsão para a colheita de soja em grão no país neste ano para 92,7 milhões de toneladas, 7,3% mais que em 2014 e novo recorde. O processamento foi corrigido para 39,1 milhões de toneladas.

Fonte: Valor | Por Fernanda Pressinott e Fernando Lopes | De São Paulo