.........

Câmbio destrava mercado de grãos

.........

Marcos Campos/Rally da Safra 2017

Com a ajuda do câmbio, rentabilidade da produção recorde de soja melhorou

A crise política derivada da delação dos irmãos Batista provocou uma reviravolta na comercialização de grãos no país. Até meados da semana passada, a grande preocupação dos produtores era onde guardar o milho da segunda safra – a safrinha -, uma vez que as vendas da colheita recorde de soja acontecia em ritmo lento. Mas a queda do real em relação ao dólar após a divulgação das delações deu novo ânimo à comercialização da oleaginosa.

Esse terremoto político acontece no momento em que a colheita da safrinha de milho começa a evoluir com maior velocidade em Mato Grosso, Estado que lidera a produção nacional do cereal. Como o dólar mais forte acelerou o escoamento de soja – cuja produção também é liderada pelos mato-grossenses -, a tendência de colapso no sistema de armazenagem de grãos, que ficava cada dia mais nítida, perdeu força.

Levantamento mais recente do Instituto Mato-Grossense de Economia Agropecuária (Imea/Famato), divulgado em 8 de maio, indicou 69% da colheita de 31,2 milhões de toneladas de soja no Estado no ciclo 2016/17 havia sido comercializada até então, ainda bem menos que na mesma época do ano passado, quando estava em jogo a safra 2015/16 e o percentual era de 82,1%. No caso da safrinha de milho, estimada em 28,1 milhões de toneladas, o percentual era de 46,7%, ante 82,7% no início de maio de 2016.

Analistas como Victor Ikeda, do Rabobank, lembram que os produtores estavam mesmo à espera de algum "evento" que pudesse elevar os preços dos grãos e, assim, destravar as vendas. O choque veio com o câmbio. O dólar comercial subiu 4,71% desde quarta-feira e fechou ontem a R$ 3,2788. Apenas na quinta-feira, dia seguinte à divulgação da delação, a alta foi de cerca de 8%, e muitos produtores aproveitaram para fixar preços de volumes comprometidos e fechar novas vendas, segundo Francisco Peres, da Labhoro Corretora de Mercadorias, de Curitiba (PR).

Segundo ele, os preços domésticos da saca de 60 quilos da soja aumentaram R$ 1,20 entre o dia 12 e segunda-feira. "É uma subidinha bem significativa". Conforme Gilmar Meneghetti, da Meneghetti Corretora de Cereais, de Campo Verde (MT), na quinta-feira foram negociadas no sul de Mato Grosso, desconsiderando Rondonópolis, cerca de 40 mil toneladas de soja, ante uma média diária entre 8 mil e 10 mil que vinha sendo negociada.

A maior parte do volume, afirmou Meneghetti, foi comprada por tradings e direcionada ao esmagamento. Ele informou, ainda, que, também na quinta-feira as negociações de milho na mesma região chegaram a 50 mil toneladas, totalmente destinadas à exportações.

Segundo uma corretora localizada em Rondonópolis, as vendas da oleaginosa naquele polo alcançaram 6 mil toneladas na quinta-feira, grande parte direcionada ao mercado externo. Mas o volume diário já recuou para cerca de 600 toneladas.

No caso do milho, os produtores seguem mais cautelosos, à espera, entre outros fatores, do volume que será negociado nos leilões da Conab. "As cotações do milho subiram, mas isso ainda não se traduziu em novos negócios", afirmou Meneghetti.

Desde o fim de abril, a Conab vem realizando leilões de Prêmio Equalizador Pago ao Produtor Rural (Pepro) e de Prêmio de Escoamento de Produto (PEP) para apoiar o escoamento da safra produzida em Mato Grosso e garantir ao agricultor o preço mínimo de R$ 16,50 a saca de 60 quilos. Além disso, também estão sendo realizados leilões de compra de contratos de opção de venda do milho à própria Conab. A perspectiva é que os leilões ajudem a escoar até 10 milhões de toneladas.

Para Ikeda, do Rabobank, a desvalorização do real pode estimular o aumento das exportações de milho este ano, até agora estimadas em cerca de 34 milhões de toneladas. "Se isso não acontecer, vai haver um excesso muito grande de milho no mercado doméstico e os preços serão ainda mais pressionados", diz.

Em meio a esse turbilhão, o Imea soltou seu primeiro relatório sobre a colheita da atual safrinha de milho no Estado. Até a semana passada, foi colhido apenas 0,24% dos 4,739 milhões de hectares semeados. Para Lucas Brunetti, analista do Banco Pine, "todos os indicadores apontam para uma bela produtividade". A mudança do patamar cambial pode ser o que faltava para consagrar a safra 2016/17 como uma das melhores para os produtores brasileiros.

Fonte: Valor |  Por Kauanna Navarro | De São Paulo