.........

CLIMA – Temporal causa destruição em várias cidades do Estado

.........

Teto do ginásio da Brigada Militar desabou, deixando estilhaços na rua

Teto do ginásio da Brigada Militar desabou, deixando estilhaços na rua

O domingo, que começou com céu nublado e aparições tímidas do sol em algumas cidades gaúchas, terminou com temporal e queda de granizo na maioria das regiões do Estado. Em Porto Alegre, a chuva começou por volta das 18h30min, de forma torrencial. Ruas ficaram alagadas em questão de minutos, e houve queda de luz em vários bairros. Meia hora depois, a chuva deu uma trégua. Depois, voltou a cair água, mas não com a mesma intensidade, e sem o vento de mais de 100 quilômetros por hora que acompanhou o temporal.

A força da tempestade provocou a queda de pelo menos um semáforo, entre as avenidas Aparício Borges e Oscar Pereira. O ginásio da Brigada Militar teve o telhado totalmente destruído, deixando estilhaços no meio da rua. Em um circo próximo ao estádio Beira-Rio, a lona desabou, ferindo duas pessoas. Segundo levantamento parcial da Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC), 32 árvores e nove postes caíram, obstruindo as ruas da cidade e danificando automóveis. Inicialmente, o Trensurb teve seu funcionamento interrompido por cerca de meia hora. Depois, as viagens foram liberadas entre as estações Mercado, na Capital, e Mathias Velho, em Canoas. A queda de uma árvore atingiu a rede aérea e impediu o trem de circular no restante do trajeto.

Em alguns pontos da BR-116, chegou a faltar luz; e no Aeroporto Internacional Salgado Filho, foram registrados ventos de 95km/h. Algumas rajadas em outros pontos da cidade passaram dos 100km/h – no Jardim Botânico, de acordo com o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), chegou a 107km/h. De acordo com o Sistema Ceic Metroclima, foi o pior temporal desde a tempestade de 29 de janeiro de 2016.

Diversas casas ficaram destelhadas no interior do Estado. Em Uruguaiana, foram registrados ventos de 83 quilômetros por hora. Em Quaraí, o vento chegou a ter rajadas de 85 quilômetros. Também houve registro de chuva forte e ventania em cidades como Candiota, Dom Pedrito, São Borja, Santa Maria, Cruz Alta, Panambi, Candelária, São Luiz Gonzaga, Soledade, Ijuí, Pelotas e Venâncio Aires. De acordo com a CEEE, no pico do temporal, 400 mil clientes ficaram sem energia na Região Metropolitana.

A MetSul Meteorologia explica que os temporais ocorreram devido ao avanço de uma frente fria pelo Estado. Antes da instabilidade, o sol apareceu entre as nuvens em várias cidades, provocando aquecimento, o que resultou em uma queda atípica de pressão atmosférica.

Para hoje, a previsão ainda é de tempo instável em Porto Alegre, com muitas nuvens, e deve chover ou garoar em alguns momentos ao longo do dia. À noite, a temperatura cai. Amanhã, ainda há presença de nuvens, mas o sol aparece no decorrer do dia. No Estado, o Inmet prevê que deve chover em algumas regiões nesta segunda-feira, quando as temperaturas variam entre 8 e 24 graus. Amanhã, no entanto, o céu deve ficar nublado, sem chuva.

Ontem, a temperatura mais alta, de 35,5 graus, foi sentida em Campo Bom; e a mais baixa, de 9,9 graus, em Vacaria. Na Capital, os termômetros variaram entre 15,5 e 30,5 graus.

/FREDY VIEIRA/JC

Fonte : Jornal do Comércio