CLIMA – Temporal causa destruição em várias cidades do Estado

Teto do ginásio da Brigada Militar desabou, deixando estilhaços na rua

Teto do ginásio da Brigada Militar desabou, deixando estilhaços na rua

O domingo, que começou com céu nublado e aparições tímidas do sol em algumas cidades gaúchas, terminou com temporal e queda de granizo na maioria das regiões do Estado. Em Porto Alegre, a chuva começou por volta das 18h30min, de forma torrencial. Ruas ficaram alagadas em questão de minutos, e houve queda de luz em vários bairros. Meia hora depois, a chuva deu uma trégua. Depois, voltou a cair água, mas não com a mesma intensidade, e sem o vento de mais de 100 quilômetros por hora que acompanhou o temporal.

A força da tempestade provocou a queda de pelo menos um semáforo, entre as avenidas Aparício Borges e Oscar Pereira. O ginásio da Brigada Militar teve o telhado totalmente destruído, deixando estilhaços no meio da rua. Em um circo próximo ao estádio Beira-Rio, a lona desabou, ferindo duas pessoas. Segundo levantamento parcial da Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC), 32 árvores e nove postes caíram, obstruindo as ruas da cidade e danificando automóveis. Inicialmente, o Trensurb teve seu funcionamento interrompido por cerca de meia hora. Depois, as viagens foram liberadas entre as estações Mercado, na Capital, e Mathias Velho, em Canoas. A queda de uma árvore atingiu a rede aérea e impediu o trem de circular no restante do trajeto.

Em alguns pontos da BR-116, chegou a faltar luz; e no Aeroporto Internacional Salgado Filho, foram registrados ventos de 95km/h. Algumas rajadas em outros pontos da cidade passaram dos 100km/h – no Jardim Botânico, de acordo com o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), chegou a 107km/h. De acordo com o Sistema Ceic Metroclima, foi o pior temporal desde a tempestade de 29 de janeiro de 2016.

Diversas casas ficaram destelhadas no interior do Estado. Em Uruguaiana, foram registrados ventos de 83 quilômetros por hora. Em Quaraí, o vento chegou a ter rajadas de 85 quilômetros. Também houve registro de chuva forte e ventania em cidades como Candiota, Dom Pedrito, São Borja, Santa Maria, Cruz Alta, Panambi, Candelária, São Luiz Gonzaga, Soledade, Ijuí, Pelotas e Venâncio Aires. De acordo com a CEEE, no pico do temporal, 400 mil clientes ficaram sem energia na Região Metropolitana.

A MetSul Meteorologia explica que os temporais ocorreram devido ao avanço de uma frente fria pelo Estado. Antes da instabilidade, o sol apareceu entre as nuvens em várias cidades, provocando aquecimento, o que resultou em uma queda atípica de pressão atmosférica.

Para hoje, a previsão ainda é de tempo instável em Porto Alegre, com muitas nuvens, e deve chover ou garoar em alguns momentos ao longo do dia. À noite, a temperatura cai. Amanhã, ainda há presença de nuvens, mas o sol aparece no decorrer do dia. No Estado, o Inmet prevê que deve chover em algumas regiões nesta segunda-feira, quando as temperaturas variam entre 8 e 24 graus. Amanhã, no entanto, o céu deve ficar nublado, sem chuva.

Ontem, a temperatura mais alta, de 35,5 graus, foi sentida em Campo Bom; e a mais baixa, de 9,9 graus, em Vacaria. Na Capital, os termômetros variaram entre 15,5 e 30,5 graus.

/FREDY VIEIRA/JC

Fonte : Jornal do Comércio