.........

Citrosuco vende menos, mas volta ao azul

.........

A Citrosuco S.A. Agroindústria encerrou o primeiro semestre deste ano com receita líquida de R$ 1,128 bilhão, 24,2% menos que no mesmo intervalo de 2016, mas voltou a apresentar resultado positivo – R$ 313,9 milhões, ante prejuízo de R$ 30,9 milhões de janeiro a junho do ano passado.

Publicado na edição de sábado do Diário Oficial de São Paulo, o balanço é o primeiro adaptado à alteração do período societário da companhia, que deixou de seguir o ano-calendário e passou a ser de 1º de julho a 30 de junho. Procurada, a empresa preferiu não comentar seus resultados.

Controlada em partes iguais pelos grupos Fischer e Votorantim, a Citrosuco, que tem sua sede em Matão (SP), é a maior exportadora de suco de laranja do país e do mundo e tem três controladas: Citrosuco Serviços Portuários, Citrovita Comércio e Serviços e Citrovita Agropecuária.

A empresa não detalhou os motivos pelos quais sua receita caiu no primeiro semestre, mas, no mercado, a queda era esperada. Em consequência da quebra da safra de laranja no cinturão espalhado por São Paulo e Minas Gerais na temporada 2016/17, por causa de adversidades climáticas, a oferta brasileira de suco em geral foi prejudicada. Depois do início da colheita do ciclo 2017/18, no segundo trimestre, esse problema já diminuiu.

Como São Paulo e Minas abrigam o maior parque citrícola do planeta, a quebra motivou uma alta dos preços do suco no mercado internacional que, apesar de já ter perdido fôlego (ver Fortes oscilações no mercado), ajuda a explicar o resultado líquido positivo da Citrosuco de janeiro a junho.

Na safra 2016/17, encerrada em junho, as exportações brasileiras de suco de laranja somaram 894,7 mil toneladas equivalentes ao produto concentrado e congelado (FCOJ, na sigla em inglês), 17,2% menos que em 2015/16. A receita caiu 7,1% na comparação, para US$ 1,6 bilhão.

Nos primeiros três meses da atual safra (julho a setembro), os embarques chegaram a 286,6 mil toneladas, ou US$ 502,2 milhões – crescimentos de 13,3% e 20,8%, respectivamente, em relação ao mesmo intervalo do ciclo passado.

Por Fernando Lopes | De São Paulo

Fonte : Valor