.........

Chuvas atrasam cultivo de milho safrinha em MT

.........

Ainda que as previsões de uma produção recorde no país se mantenham, a colheita na segunda safra de milho, mais conhecida como safrinha, pode não atingir os níveis inicialmente esperados. As chuvas recentes em Mato Grosso, principal Estado produtor do cereal na safrinha, impediram que todo milho fosse plantado dentro da janela ideal – até o fim de fevereiro -, o que deixa a cultura mais suscetível a adversidades climáticas. O cereal é plantado após a colheita da soja nas regiões produtoras do país.

Com isso, a área de plantio de milho safrinha, estimada inicialmente pela Conab em 11 milhões de hectares no país, pode ser afetada. O economista do Banco Pine, Lucas Brunetti, diz que as condições do plantio do milho "já estão abaixo da excelente" e há atraso na semeadura.

Ele acrescenta que os riscos de plantio fora da janela ideal são maiores. "Não dá para falar que a produtividade vá ser menor, mas talvez a área semeada seja reduzida pois o produtor pode não plantar tudo o que planejava para não ficar tão exposto ao clima", diz.

Para a soja, cuja colheita se aproxima do fim, as chuvas torrenciais no Centro-Oeste geraram apenas problemas pontuais. Em Mato Grosso, onde já foi colhida 78,3% da soja plantada em 9,4 milhões de hectares, segundo dados do Instituto Mato-Grossense de Economia Pecuária (Imea), as chuvas atrasaram os trabalhos no campo na última semana. Mas não deve haver perda importante.

Segundo Eduardo Tomczyk, delegado coordenador da Associação dos Produtores de Soja e Milho do Estado de Mato Grosso (Aprosoja) em Rondonópolis, as chuvas estão acima do normalmente registrado para a época no Estado. "Mas aqui na região sul, não há relatos de perdas. Na verdade, estamos colhendo a maior safra dos últimos dez anos na região sul", afirma. O produtor da região, diz, tem colhido em média 55 sacas de soja por hectare, com casos isolados de 70 sacas por hectare.

Mas o plantio de milho de "Cuiabá para cima" está sendo prejudicado pelas chuvas, diz Tomczyk. "Tenho uma área lá e só estamos conseguindo colher [soja] porque temos uma máquina especial. Mas não estamos conseguindo plantar todo o milho", afirma. "Talvez a safrinha de milho não vá ser tudo o que estão dizendo".

Segundo o Imea, 92% dos 4,4 milhões de hectares estimados para o milho no Estado na safrinha foram semeados. Mesmo com o atraso, o plantio ainda está 8,9 pontos acima do mesmo período em 2016. A Conab prevê que Mato Grosso deve produzir 23 milhões de toneladas de milho na safrinha.

Na avaliação do agrometeorologista Marco Antonio dos Santos, da Rural Clima, o pior das chuvas no Estado pode já ter passado. "Desde 20 de janeiro chove de maneira contínua, mas a previsão é de que a partir de agora vai chover diariamente, mas em pancadas apenas", afirma.

Por Kauanna Navarro | De São Paulo

Fonte : Valor