.........

Chineses chegam a Ribeirão com tecnologia ambiental

.........

A proposta é transformar o município num centro de referência para a América Latina, na área de reciclagem e suporte ao meio ambiente

Bete Cervi

 Após o processo de nacionalização, que deve acontecer em um período médio de seis meses, unidade vai para o distrito empresarial, onde transformará resíduos de pneus, lixo hospitalar e plásticos

Após o processo de nacionalização, que deve acontecer em um período médio de seis meses, unidade vai para o distrito empresarial, onde transformará resíduos de pneus, lixo hospitalar e plásticos
Foto: Divulgação

Ribeirão Preto – Um grupo de empresários chineses que fazem parte da Ayu Global, empresa de tecnologia ambiental que já possui sedes nos EUA, Chile, Colômbia, China e Equador, visitou Ribeirão Preto esta semana, comunicando à prefeita Dárcy Vera a decisão de instalar sua 1ª empresa no Brasil.

"A ideia é que a cidade de Ribeirão Preto se transforme num Centro de Referência para a América Latina na área de reciclagem e ajuda ao meio ambiente", ressaltou o presidente do grupo Peter Yu, demonstrando que a empresa optou pela cidade para sua primeira unidade no Brasil. A empresa faz reciclagem de pneus, lixo hospitalar, plásticos não recicláveis, que se transformam em óleo, carvão e biodiesel.

A princípio a empresa deve se instalar no Parque Tecnológico para que novas tecnologias sejam desenvolvidas e ao mesmo tempo as existentes sejam aperfeiçoadas.

Num segundo momento, pretendem se transferir para o distrito empresarial. A prefeita Dárcy Vera ressaltou que a escolha pela cidade foi acertada.

"Nessa terra tudo floresce, temos exemplos de empresários que estão muito satisfeitos com resultados", disse.

Após o processo de nacionalização da empresa, que deve acontecer em um período médio de seis meses, a unidade será instalada no distrito empresarial, onde transformará resíduos.

Os produtos a serem reciclados são pneus, lixo hospitalar e embalagens de produtos agrotóxicos, em novas energias, através de um processo denominado pirólise.

Processo difícil

"São produtos que possuem um difícil processo de reciclagem, até mesmo pelo perigo de contaminação. A pirólise permite a transformação destes produtos em óleo diesel, carvão utilizado na fabricação do asfalto, entre outros, sem o processo de combustão, o que também evita a poluição do meio ambiente", explicou o responsável pela empresa, Peter Yu.

O executivo também convidou a prefeita Dárcy Vera para conhecer a empresa, na China.

O diretor presidente da Fundação Polo Avançado de Saúde (Fipase), Antônio Adilton Carneiro, falou sobre o apoio que será dado à empresa durante o período de nacionalização

Segundo o diretor presidente da Fipase, Antônio Adilton Carneiro, todo o suporte será prestado para o desenvolvimento e nacionalização da empresa. "Visamos à materialização desta parceria, com respaldo das leis brasileiras que regem o setor", destacou.

O presidente da multinacional escolheu o Supera Parque depois de reunião com João Pelegrino Reis, do Supera International Office, onde conheceu toda a estrutura do Parque Tecnológico de Ribeirão. "Este é um retorno muito positivo para o Supera Parque e atende ao nosso desejo de atrair novas empresas para a região de Ribeirão Preto e incentivar o desenvolvimento de pesquisa e inovação tecnológica", explica João Reis. Segundo Reis, depois que a multinacional passar pelo Softlanding, estará apta a participar também dos processos seletivos para a instalação de uma unidade de pesquisa e desenvolvimento no Parque, seja no Centro de Negócios ou nos lotes localizados em seu entorno", explica.

Fonte: DCI