.........

Código Florestal: Proprietários rurais estariam fracionando imóveis por isenção de Reserva Legal

.........

Fonte: CANAL RURAL | Maíra Gatto | Distrito Federal

OAB lembra produtor que desmatar pode ser punido pela legislação atual

Um dos pontos mais polêmicos do novo Código Florestal está gerando confusão nos cartórios. Com a isenção da Reserva Legal para propriedades com até quatro módulos, alguns produtores estariam fracionando os imóveis para conseguir a dispensa de recomposição da área de preservação.

– Podem ter havido vários fracionamentos e desmembramentos de imóveis com o intuito de se beneficiar da dispensa de recomposição da reserva e não está havendo controle nenhum disso – alerta o especialista em Direito Ambiental, André Lima.

O fracionamento – ou a divisão de uma propriedade em duas ou mais – é autorizado por lei. Contudo, a nova lei não foi aprovada. A Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) lembra produtor que desmatar agora ainda pode ser punido pela legislação atual.

Para a ONG Preserve Amazônia, o tema vai além das dúvidas jurídicas.

– É uma questão de biodiversidade de dispersão de sementes, de polinização, para a questão de água das nascentes, uma série de fatores que são importantes principalmente para os pequenos – sustenta o vice-presidente da ONG, Ricardo da Fonseca

A prática, no entanto, precisa ser analisada e aprovada pelo cartório, processo que, além de burocrático, é caro. Para entrar com o pedido, o proprietário da terra precisa estar com todos os documentos em dia, entre eles, e averbação da Reserva Legal. Mesmo com a divisão, a vegetação nativa é protegida por lei.

– Depois de averbada a reserva, o proprietário não pode modificá-la. A reserva é imutável, só pode ser modificada se o Ibama autorizar – esclareceu o presidente do Instituto de Registro Imobiliário do Brasil (Irib), Francisco Rezende.