.........

CANAL RURALNOTÍCIAS – AGRICULTURAMILHOSOJA – TAXAÇÃO – Goiás nega que tribute exportações de soja e milho

.........

Secretária de Fazenda afirma que medida apenas cria limites para embarques e que o estado sempre trabalhou com cotas de exportação

NOTÍCIAS RELACIONADAS
Entidades do agronegócio pedem revogação de decreto que tributa exportação de grãos
Associações estudam entrar na justiça para barrar mudanças nas regras do ICMS
A secretária de Fazenda de Goiás, Ana Carla Abraão Costa, nega que o estado esteja tributando as exportações de soja e milho, como afirmam representantes do setor agropecuário. Ela disse que a medida cria limites para as exportações de soja: no caso das tradings, 30% ficam no mercado doméstico e 70% podem ser vendidos para fora; para as indústrias, 60% pode ser escoado para fora e 40% ficam em Goiás.

Os volumes destinados ao mercado doméstico já recolhem ICMS e, o que o governo goiano propõe, enfatiza ela, é tributar o que ultrapassar as cotas de exportação estabelecidas. Se a trading exportar 75%, superando em 5 pontos porcentuais o limite, recolhe ICMS sobre essa diferença.

"Goiás sempre trabalhou com cotas de exportação. Essas cotas dizem que 30% deveriam ficar no estado para suprir a indústria. Como isso não era cumprido, tornamos a regra mais dura", explicou.

"Faltava soja aqui dentro e o industrial comprava de Mato Grosso e outras regiões. Com isso, o estado de Goiás sofria perda de arrecadação, já que pagava ICMS para o vizinho", argumentou.

A secretária ainda relatou que os produtores informam exportar cerca de 50% do que é produzido. "Se esse é o caso, ninguém tem de pagar imposto e o industrial não precisa de soja de fora", disse.

"O problema é que algumas empresas ultrapassam os limites individualmente, não cumpriam as cotas que existiam, por isso a mudança de regras", afirmou.

Ana Carla acrescentou que a tributação da soja já foi pacificada pelo Supremo Tribunal Federal (STF) no caso de Mato Grosso do Sul, que taxa 50% de toda a produção estadual. Segundo ela, o tribunal deu ganho de causa para o estado.

"Questionar é legítimo. Se mostrarem que estamos enganados, podemos voltar atrás, mas não é o que os números que temos nos indicam", afirmou.

Fonte : Canal Rural