CANAL RURAL NOTÍCIAS – PROJEÇÃO – Recursos para custeio em 2016/2017 devem aumentar para R$ 122 bilhões

Segundo consultoria, o porcentual de uso de capital próprio deve crescer na temporada. Situação de produtores em MT preocupa, pois eles teriam usado mais recursos do que conseguiram lucrar

NOTÍCIAS RELACIONADAS
Secretários de Agricultura discutem taxação do setor para ampliar recursos
Recursos para pré-custeio da safra 2016/2017 estarão disponíveis em 1º de fevereiro
O volume de recursos demandados para custeio da safra 2016/2017 deve ser de aproximadamente R$ 122 bilhões, disse nesta quinta-feira, dia 25, o sócio da consultoria Agroconsult André Pessôa, durante evento em São Paulo sobre o mercado de capitais e o agronegócio. O montante é superior aos R$ 106,9 bilhões previstos para custeio da safra atual.

"O uso de capital próprio no ciclo 2015/2016 deve chegar a 38% do total, ante 34% na safra 2014/2015. Enquanto isso, a participação do crédito oficial vai alcançar 31% em relação ao total de recursos, menos que os 38% da safra 2014/2015", disse Pessôa durante apresentação. Para a temporada 2016/2017, a previsão é de que o porcentual do capital próprio aumente de 38% do total de recursos necessários para 39%, ou seja, dos R$ 40,4 bilhões despendidos em 2015/16 para R$ 49,8 bilhões em 2016/2017.

Outros R$ 38,4 bilhões (31%) serão provenientes de crédito rural que, nas estimativas de Pessôa, manterá o mesmo peso no financiamento verificado na temporada 2015/16. Recursos provenientes de outras fontes, dentre os quais produtos do mercado de capitais, devem perfazer 28% do total em 2016/17 e somar R$ 34,7 bilhões.

Mato Grosso em alerta

A situação de produtores de Mato Grosso, apontou Pessôa, demanda atenção, já que, na temporada atual, estima-se que eles tiveram de utilizar mais do que lucraram para custear a produção. "Os produtores usaram suas reservas e sacrificaram lucros para custear a safra 2015/16. Foi possível rodar esta temporada, mas não foi tranquilo", afirmou o sócio da Agroconsult. Assim, os produtores utilizaram 100% do lucro, mais 26%, nos cálculos do consultor. No ciclo 2016/17, a projeção feita é de que o Estado demande entre R$ 32 bilhões e R$ 34 bilhões para o custeio, ante R$ 29,2 bilhões desta safra.

Pessôa ainda recordou que a aplicação de fertilizantes e defensivos recuou em 2015 e que o mercado de máquinas agrícolas estagnou. "A redução do uso de tecnologia foi um dos fatores que permitiram rodar a safra", complementou.

Em 2016/17, a participação dos recursos próprios de produtores mato-grossenses pode chegar a 45% (ante 44% em 2015/16), totalizando R$ 15,4 bilhões. O crédito rural será responsável, na estimativa da consultoria, por 15% dos recursos (abaixo dos 17% na temporada atual) e outras fontes de financiamento contribuirão com 35% do dinheiro para custeio (ante 39% em 2015/16). Há previsão de que, novamente, os produtores cheguem a usar até 100% dos lucros para custear a produção do ciclo 2016/17.

Ainda pelas projeções da Agroconsult, a área cultivada no Estado vai crescer pouco mais de 100 mil hectares em 2016/17, menos que a área adicional cultivada na temporada atual, de cerca de 200 mil hectares, e bem abaixo do avanço verificado em anos anteriores, entre 500 mil e 600 mil hectares, segundo Pessoa. "Para crescer esses 100 mil e pouco hectares, o problema está nas ‘outras fontes’. Como o setor encontra e acessa esses recursos?", questionou.

Em 2020, a perspectiva da Agroconsult é de que a demanda por recursos para custeio de Mato Grosso chegue a R$ 48 bilhões. Naquele ano, o volume de recursos provenientes de outras fontes (que não o crédito rural ou reservas de produtores) necessário para custeio da safra deve chegar a R$ 20,3 bilhões. "Se consideramos que as outras fontes mantenham sua participação no custeio, precisaremos ir atrás de uns R$ 17 bilhões só para Mato Grosso", alertou Pessôa.

Ele não apontou quais seriam estas alternativas. Durante o evento, empresas e fundos fizeram apresentações de mecanismos de captação de recursos já disponíveis no mercado e com potencial para aumentar sua participação no financiamento do setor, como os Certificados de Recebíveis do Agronegócio (CRA) e recursos de fundos de private equity.

Camila Fredi / Arquivo Pessoal

Fonte: Canal Rural