.........

Campo e Lavoura – Super conectados – Produtor gaúcho é o que mais usa celular no Brasil

.........

Apesar da liderança em telefones móveis no campo, o Rio Grande do Sul tem uma das cinco piores avaliações de conexão do país

Por: Joana Colussi

Produtor gaúcho é o que mais usa celular no Brasil Carlos Macedo/Agencia RBS

Vanderlei Holz Lermen, produtor em Boa Vista do Buricá, passa boa parte do dia conectado à internet pelo celularFoto: Carlos Macedo / Agencia RBS

Os produtores rurais gaúchos estão em primeiro lugar no Brasil entre os que mais usam celular – com índice de 98,5% dos entrevistados. Apesar da liderança em telefones móveis no campo, o Rio Grande do Sul tem uma das cinco piores avaliações de conexão do país. Os dados constam na pesquisa Tecnologia da Informação no Agronegócio, realizada pelo Sebrae em todo o país, com 4.467 produtores rurais.

Entre os entrevistados no Estado, 51,4% não têm provedor ou o sinal da região é ruim. A insatisfação com a qualidade da conexão pode estar relacionada com o tipo de internet usada nas propriedades gaúchas – 44,2% via rádio, que costumar oscilar com fortes variações climáticas.

Outra contradição no Estado que mais utiliza o celular no campo é a aplicação das ferramentas de comunicação. Os agricultores daqui são os que mais fazem o controle das receitas e despesas no papel, com 55,3% dos entrevistados – enquanto 17,3% fazem a gestão no computador com planilhas e 4,6%, em programas para controle financeiro.

Rio Grande do Sul na pesquisa sobre acesso ao celular e uso da Internet:

– 98,5% dos entrevistados usam aparelho celular.
– 5,6 é a avaliação da conexão da internet do celular (uma das cinco piores do Brasil).
– 75,3% usam a internet pelo celular para questões pessoais e relacionadas ao empreendimento rural.
– 44,2% utilizam a internet via rádio nos negócios rurais.
– 26,9% usam internet banda larga móvel (3G/4G).
– 17,3% acessam via banda larga (ADSL).
– 3,9% têm internet via satélite.
– 51,4% não têm provedor ou o sinal da região é muito ruim.

Fonte : Zero Hora