.........

Campo e Lavoura – Rota de escoamento – Tráfego na BR-163, no Pará, volta a ser interrompido por causa da chuva

.........

Há duas semanas, por causa da chuva intensa e do aumento do tráfego de caminhões carregados de grãos, vários pontos de atoleiros se formaram na rodovia

Tráfego na BR-163, no Pará, volta a ser interrompido por causa da chuva divulgação/Associação dos Transportadores de Cargas de Mato Grosso

Produção de soja encalhou nos 100 quilômetros não asfaltados de rodovia no Mato GrossoFoto: divulgação / Associação dos Transportadores de Cargas de Mato Grosso

O tráfego na BR-163, no sudoeste do Pará, voltou a ser interrompido às 9h deste sábado por causa da chuva forte na região, informou o Exército. A rodovia ficará interditada até avaliação sobre o seu estado. Na noite de sexta-feira, os caminhões começaram a ser liberados no sentido do município paraense de Miritituba. Mais cedo, o fluxo no sentido sul, em direção a Mato Grosso, também havia sido liberado.

A BR-163, conhecida como Rodovia Cuiabá-Santarém, é a principal ligação entre a maior região produtora de grão do país, em Mato Grosso, e os portos da Região Norte, principalmente em Miritituba e Santarém, no Pará. Há duas semanas, por causa das chuvas intensas na região e do aumento do tráfego de caminhões carregados, vários pontos de atoleiros se formaram em um trecho de 47 quilômetros, localizado entre as comunidades de Santa Luzia e Bela Vista do Caracol. A fila de caminhões chegou a ocupar mais de 50 km.

O Exército e a Polícia Rodoviária Federal (PRF) estão trabalhando nos pontos de retenção em apoio ao Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit), que faz a manutenção da rodovia, e à Defesa Civil de Itaituba, que presta auxílio aos motoristas e suas famílias e aos moradores dos vilarejos próximos à estrada.

O trecho da rodovia onde se verificam os pontos críticos devido às chuvas será pavimentado este ano, de acordo com o Dnit. A meta é asfaltar 60 km em 2017 e concluir o asfaltamento até o porto de Miritituba até 2018.

O órgão informou que, até a conclusão das obras, serão adotadas medidas emergenciais, como o controle de tráfego e a drenagem para escoar água da estrada, dando passagem aos veículos, especialmente os caminhões com cargas mais pesadas.

Por: Agência Brasil

Fonte : Zero Hora