Campo e Lavoura – "Estamos comprometidos com o Brasil", diz CEO da Yara

 

Apesar do cenário de crise, executivo afirma que empresa de fertilizantes mantém planos de expansão no país

"Estamos comprometidos com o Brasil", diz CEO da Yara Fernando Conrado/Yara,Divulgação

Holsether esteve no Brasil pela primeira vez e conheceu de perto unidades em diferentes regiõesFoto: Fernando Conrado / Yara,Divulgação

Na primeira viagem ao território brasileiro, o novo CEO da Yara, Svein Tore Holsether, fez um longo giro pelo país. Começou por São Paulo, onde a empresa acaba de anunciar, em Sumaré, a construção da primeira fábrica de fertilizantes foliares e micronutrientes fora da Inglaterra. Depois, esteve em Mato Grosso e Minas Gerais, encerrando o tour por Rio Grande e Porto Alegre.

Holsether está há três meses no cargo e afirma que o Brasil desempenha um papel crucial no desafio de produzir alimentos para uma população mundial crescente, que chegará a 9 bilhões de pessoas em 2050. É por isso que nem mesmo o turbulento cenário econômico e político brasileiro fazem a multinacional, líder global em nutrição de plantas, recuar nas apostas de investimento a longo prazo no país.

Na passagem pela Capital, o executivo conversou com jornalistas. Confira abaixo os principais trechos da entrevista.

Aposta no país

"É possível alimentar o mundo e essa população crescente. Tanto a Yara quanto o Brasil têm um papel importante. O Brasil tem uma posição sui generis. Por sermos um líder global, é importante que estejamos em um dos maiores produtores e exportadores do mundo. Fomos dando um crescimento passo a passo. Compramos a Bunge, depois veio a joint venture com a Galvani. Nos últimos três anos, investimos mais de US$ 1 bilhão nas operações brasileiras. Vejo um crescimento contínuo no Brasil. O novo investimento em Sumaré (SP) é o primeiro do tipo fora da Inglaterra. O Brasil se transformou no maior mercado que a Yara tem. Estamos comprometidos com o Brasil, e para investir, precisamos de um arcabouço previsível."

Leia mais: ajustes, avanços e apostas do agronegócio

Impacto das turbulências

"Ao longo dos 110 anos de história da Yara, vimos muitos períodos de volatilidade. Os fundamentos da agricultura, no entanto, continuam sólidos. Há uma desvalorização das moedas. Todos os setores serão afetados no longo prazo. Mas o Brasil continua sendo importante."

Cenário global

"Certamente, os preços de algumas commodities caíram em dólares. Mesmo que tenha havido redução em dólar, para muitos produtores a situação não é muito dramártica. Até o terceiro trimestre deste ano, a Yara entregou um resultado financeiro forte. Continuamos gerando lucro."

Produção sustentável

"A agricultura gera de 25% a 30% dos gases que provocam o efeito estufa. A agricultura precisa ter um papel mais importante nas dicussões climáticas. É fundamental conciliar produção e ambiente ao mesmo tempo. É possível produzir mais sem expandir o uso de terra. Veja como a produtividade brasileira aumentou nas últimas décadas. Já estive duas vezes na África. Lá, 80% dos produtores não usam nenhum fertilizante. É um continente que está crescendo muito. Vi exemplos no Brasil de produtores que quintuplicaram a produção com uso de fertilizantes."

Fonte : Zero Hora