CAMPO ABERTO | REGISTRO DE LÍNGUA AZUL NO ESTADO

A ocorrência de um caso da doença da língua azul em ovino de propriedade experimental da Universidade Federal de Santa Maria, na região central do Rio Grande do Sul, levou à interdição do local por um ano. E durante 60 dias (a contar da confirmação do caso), outras fazendas localizadas em um raio de 150 quilômetros não poderão exportar terneiro em pé (vivo) para a Turquia. A determinação vem do acordo comercial que o Brasil tem com o país.

O nome curioso é dado em razão da característica marcante da doença: o animal fica com a língua maior e de coloração azulada (no detalhe). Embora causada por vírus, não é contagiosa. É preciso um vetor para a transmissão. Também não passa para humanos.

– O animal tem dificuldade de deglutir – explica Antonio Carlos de Quadros Ferreira Neto, diretor do Departamento de Defesa Agropecuária da Secretaria da Agricultura.

A confirmação do diagnóstico foi em 2 de dezembro de 2017. Segundo Ferreira Neto, foi o único caso. O registro anterior era do ano de 2015.

gisele.loeblein@zerohora.com.br gauchazh.com/giseleloeblein 3218-4709

GISELE LOEBLEIN

Fonte:  Zero Hora