CAMPO ABERTO – Gisele Loeblein – Trigo fora do tom nas lavouras do rs

O tradicional dourado das lavouras de trigo no período de colheita deve dar lugar a cores mais escuras nesta safra (foto). Os tons são reflexo da situação da cultura. O excesso de chuva fragiliza as plantas, favorecendo o aparecimento de doenças causadas por fungos. O resultado é um grão miúdo, de pouco rendimento e baixa qualidade.

No início do ciclo, a safra projetada para o Estado era de regular para boa. Agora, está de regular para ruim, diz Claudio Dóro, assistente técnico regional da Emater de Passo Fundo. Ontem, o percentual colhido no Estado somava 2% da área total.

– Essas coloração marrom escura é típica de lavouras com doença. E é um processo irreversível – afirma Dóro.

Para o presidente da Federação das Cooperativas Agropecuárias do Estado (Fecoagro), Paulo Pires, o volume colhido pode não chegar a 1,5 milhão de toneladas, o que seria redução de 1 milhão de toneladas em relação a 2016.

– Temos produtividades oscilando entre menos de 20 sacas por hectare e, no máximo, 35. A qualidade não é diferente – afirma Pires.

Na regional de Santa Rosa da Emater, onde a colheita já começou, as comunicações de perda para acionar o Proagro se multiplicam, chegando a 1.488.

– Há lavouras com perda de até 80%, outras com 30%. A produção e a produtividade estão bastante variadas – explica Vanderlei Waschburger, gerente regional adjunto da Emater de Santa Rosa.

O ciclo todo foi ruim neste ano. Começou com excesso de chuva, depois teve período de pouca umidade e, agora, no final, as precipitações intensas voltaram – houve ainda granizo e vendavais.

– Haverá redução em relação à expectativa inicial, que era de 50 sacas de média por hectare. A produtividade deve ficar em 35 sacas, no máximo – acrescenta Waschburger.

A preocupação do produtor com as contas fica ainda maior porque, em três dos últimos quatro anos, houve problemas na cultura em razão do mau tempo. E, no ano passado, quando a colheita foi boa, o mercado foi ruim. Diante das novas perdas, o trabalho de convencer o agricultor a apostar no cereal no próximo ano deverá ser uma missão quase impossível.

no radar

Grupo da Innovation Foods, empresa espanhola que, em parceria com a gaúcha Master Eggs, construirá fábrica de ovos fritos congelados em Feliz, vem ao Estado nos dias 26 e 27 do próximo mês. O governo estadual prometeu ajudar na agilização das licenças sanitárias.

REMATAÇO

Foi com o pé direito que a 84ª Farm Show, Exposição Agropecuária de Dom Pedrito, deu a largada, ontem, nos remates. O 45º leilão da Guatambu, Alvorada e Caty encerrou com faturamento de R$ 2,02 milhões – ante R$ 1,7 milhão em 2016. No total, foram vendidos 415 animais.

-Estou considerando que foi um remataço. Faturar mais do que em 2016 em um ano complicado para a pecuária, é um baita resultado – comemora Valter Pötter, da Guatambu.

Para o pecuarista, a estratégia de divulgar com antecedência os vídeos feitos com os animais a serem colocados em pista ajudou a driblar a crise:

– Facilita a vida do comprador.

Nas fêmeas braford, por exemplo, 75% das vendas foram para fora do Estado – com destaque para Paraná e Mato Grosso. As médias ficaram em R$ 11,05 mil para touros hereford e R$ 10,72 mil para os braford. Entre as novilhas hereford, a média foi de R$ 2,24 mil, e as braford, R$ 2,46 mil.

Fechando as contas da Emater em 2018

A preocupação em manter os recursos necessários para garantir o funcionamento da Emater sem cortes de pessoal no próximo ano motivou audiência pública, ontem, na Assembleia Legislativa. Segundo a direção da entidade, do convênio com o governo do Estado, estão previstos R$ 185 milhões para 2018 – neste ano, o volume aprovado havia sido de R$ 167 milhões.

Para manter o quadro atual com segurança são necessários cerca de R$ 200 milhões por ano.

– Se vier o recurso proposto pela Assembleia, será possível fechar a conta – diz Clair Kuhn, presidente da entidade, em referência a emendas apresentadas.

Uma delas, dos deputados do PT Jeferson Fernandes, Zé Nunes e Altemir Tortelli, acrescenta R$ 17 milhões. A outra, dos parlamentares da base aliada Elton Weber (PSB) e Edson Brum (PMDB), adiciona outros R$ 20 milhões.

– Se somar as emendas, se chega ao patamar dos R$ 197 milhões de 2014. Porque isso é o necessário para manter a folha da Emater – afirma Fernandes.

Neste domingo, dia 22, a entidade organiza o 2º Emater na Redenção, com distribuição de 2 mil mudas, a partir das 10h. A ideia é informar o público urbano sobre o papel da instituição.

Doces negócios

As oportunidades de negócios para frutas brasileiras na Europa serão pauta de seminário no próximo mês, em Porto Alegre. A iniciativa foi definida durante missão à Espanha, em comitiva formada por governo federal, estadual e Abrafrutas.

– O Brasil é o terceiro maior exportador mundial de frutas, mas só vendemos 2,5% da produção para o Exterior – diz o secretário da Agricultura, Ernani Polo.

O RS buscará acesso para o arroz a 33 países africanos por meio de Las Palmas, nas Ilhas Canárias.

CAMPO ABERTO

gisele.loeblein@zerohora.com.br

gauchazh.com/giseleloeblein

Fonte : Zero Hora