CAMPO ABERTO | Gisele Loeblein QUEDA DE BRAÇO NO NOVO PLANO SAFRA

 

  •  

    Um Plano Safra com mais recursos e juro menor. Esse é o desejo do Ministério da Agricultura para 2016/2017. É com essas variáveis que a pasta tem ido para as reuniões com a Casa Civil.
    – Existem propostas colocadas à mesa, até mesmo de se ter um plano plurianual – afirma Eumar Novacki, secretário-executivo do Ministério da Agricultura.
    Para ele, a liberação de valores para o pré-custeio, neste ano, quase 20% superior a 2016 são uma “sinalização excelente”.
    As sugestões vão ao encontro dos pedidos que vêm sendo feitos pelo setor. O Conselho Nacional dos Secretários de Estado da Agricultura (Conseagri) havia sugerido, por exemplo, corte de três pontos percentuais no juro. Nas linhas de custeio, equivalentes a 80% dos recursos disponibilizados, a taxa é hoje de 9,5% ao ano.
    Nos bastidores, fala-se que o governo poderia adotar juro com taxa variável e atrelado à Selic, o que é motivo de preocupação. O segmento de máquinas teme efeito negativo sobre as vendas.
    – O agricultor tem trauma de anos em que houve frustração de safra e o juro era variável – lembra Claudio Bier, presidente do Sindicato das Indústrias de Máquinas e Implementos Agrícolas do Estado.
    O contingenciamento de despesas da União, deverá, no entanto, levar à queda de braço entre os ministérios da Agricultura e da Fazenda.
    – Será preciso chegar a um ponto de equilíbrio e isso significa ser algo bom para todos os lados – completa o secretário-executivo.
    Outro ponto defendido por entidades do agronegócio que também está no radar do ministério é o acesso ao crédito. Há críticas de que são feitas tantas exigências que o produtor acaba não conseguindo a liberação do dinheiro.
    Entre os desejos e a realidade, resta agora saber qual será o Plano Safra possível no ciclo 2017/2018.
    Em duas classificatórias simultâneas, em Esteio e na Argentina, o Freio de Ouro 2017 definiu os primeiros 24 finalistas da competição. No Parque Assis Brasil, no fim de semana, 16 conjuntos garantiram vaga durante o Bocal de Ouro – etapa em que participam apenas animais estreantes.
    O primeiro lugar entre os machos ficou com o cavalo Harmonia Ultimato, da Fazenda Vitória, de Joinville (SC), conduzido pelo ginete Zeca Macedo (foto). Entre as fêmeas, a vencedora foi a égua AM Gaita, da Cabanha Sol Brilhante, de Frederico Westphalen, montada pelo ginete Cláudio dos Santos Fagundes. Segundo a Associação Brasileira de Criadores de Cavalos Crioulos (ABCCC), organizadora da competição, a qualidade dos animais superou as expectativas.
    A classificatória argentina, realizada em Buenos Aires, carimbou a vaga para a final de outros oito conjuntos. Os primeiros lugares ficaram com o cavalo Del Paye A Lo Guaso, conduzido pelo ginete Nicolas Touyaa, e com a égua Cara Cara Bombilla, montada por Luis Dure.
    No total, serão nove etapas, que classificarão os 96 melhores conjuntos, os quais disputarão o título da temporada durante a Expointer, em agosto.
    A próxima classificatória ao Freio de Ouro será realizada em Montevidéu, no Uruguai, entre os dias 11 e 14 de maio. PRIMEIROS FINALISTAS
    para tirar da gaveta
    Depois de ficarem praticamente parados em 2016, os processos de crédito fundiário do Rio Grande do Sul devem finalmente sair do lugar. Hoje começam a ser feitos os georreferenciamentos de 44 pedidos que estavam represados.
    A ação começará na região da Serra, seguida pela de Santa Rosa, no Noroeste, explica Márcio Madalena, delegado federal da Secretaria Especial de Agricultura Familiar e do Densenvolvimento Agrário (Sead).
    Havia ainda 26 propostas prontas que não tinham sido enviadas à câmara técnica e agora já foram repassadas aos bancos, bem como 57 contratos com solicitação de troca de proprietário.
    – O programa começou a rodar. Os produtores já podem encaminhar documentos para novas solicitações – garante Madalena.
    A Emater será parceira da Sead na realização do georreferenciamento.
    no radar
    O DIRETOR do departamento de saúde animal do Ministério da Agricultura, Guilherme Marques, foi eleito presidente da Comissão Sul-Americana para a Luta Contra a Febre Aftosa (Cosalfa). Ele ficará no comando da entidade até o próximo ano.
    A Matriz Produtiva do Biodigestor é tema de audiência pública que ocorre hoje à tarde no teatro dante barone, na Assembleia lEGISLATIVA. A proposta é da deputada Zilá Breitenbach (PSDB).
    Colaborou
    Joana Colussi

    Fonte : Zero Hora