Campo aberto – Gisele Loeblein – Por que a retomada do mercado japonês empolga

Último país a manter embargo à carne bovina brasileira, Japão abre, junto com outros países, novas perspectivas para exportações

Com as portas japonesas de novo abertas ao Brasil para embarque de carne bovina termoprocessada, a vinda da missão técnica ao Estado, a partir de amanhã, ganha ainda mais peso. O grupo visitará as instalações do frigorífio Pampeano (da Marfrig), em Bagé, unidade que trabalha exclusivamente com processados.

É mais um impulso para o setor, que andava entusiasmado com a reabertura dos mercados da China e da Arábia Saudita.

Leia mais: Retomada de frigorífico em Alegrete

O Japão era o último país que ainda mantinha embargo ao produto brasileiro, após a comunicação, em 2012, de um caso atípico de encefalopatia espongiforme bovina — doença popularmente conhecida como mal da vaca louca.

— Agora, são 100% dos embargos suspensos à carne bovina brasileira no mundo — comemorou a ministra da Agricultura Kátia Abreu, ao avaliar a decisão do governo japonês, anunciada na sexta-feira.

O país asiático é um mercado premium e, por isso, muito cobiçado para exportação.

Leia mais: Abertura do mercado americano traz oportunidadesao Brasil e ao Rio Grande do Sul

Por enquanto, a abertura é para a carne enlatada. Para o produto in natura, os japoneses ainda exigem que o gado seja livre da febre aftosa sem vacinação — condição que hoje só Santa Catarina pode atender.

Antes do embargo, em 2012, o Brasil chegou a exportar 1,55 mil toneladas de carne bovina termoprocessada e extrato para o Japão, somando US$ 8,6 milhões.

Neste momento, o que empolga mesmo as indústrias do setor é o conjunto da obra. Ou seja, a perspectiva de entrar novamente em mercados que estavam fechados, aumentando a possibilidade de destinos e engordando a conta das exportações. No acumulado de 2015, a receita com os embarques tem sido inferior à de 2014, quando somou US$ 7,2 bilhões. As retomadas alimentam a perspectiva de que 2016 possa ser não só melhor do que este ano, como também consiga superar os limites anteriores.

Fonte : Zero hora