.........

CAMPO ABERTO – GISELE LOEBLEIN – Lista de desejos para este Natal

.........

DIRIGENTE

Luis Fernando Fucks

Presidente da Associação dos Produtores de Soja do Rio Grande do Sul

ANO NORMAL

"O clima é imprevisível, mas quando chove é o melhor presente. A soja está tendo um bom desenvolvimento. Alguns bolsões ficaram 21 dias sem precipitação. Mas, de maneira geral, o desenvolvimento está bom. A chuva é mais importante do que o mercado. Quando tens o produto, consegues fazer previsão de faturamento. Colheita boa é fundamental."

PREÇO MELHOR

"O preço do bushel melhorou, está mantendo uma trajetória. Se continuar assim, pelo menos dá para passar o ano. Agora, se faltar umidade em fevereiro, é um problema. Por enquanto, a chuva tem sido regular, mas em volume menor do que ano passado. Para o milho, esse calorão recente poderá resultar em quebra na produção."

PRODUTOR

Lírio Frank

Produtor de leite de Roque Gonzales, tem plantel de 15 vacas

Leite valorizado

"A gente gostaria de receber um preço um pouco melhor pelo leite. Parecido com o de dois anos atrás ou do ano passado, quando estava na casa de R$ 1,30, R$ 1,20. Agora, não passa de R$ 0,80. Só empata com os custos. Somos um dos poucos na localidade que estão resistindo à crise do leite."

Jovem no campo

"Fazemos parte do conselho municipal agropecuário. É assustador o êxodo rural, os jovens não ficam na cidade. O leite se tornou completamente inviável, o desânimo é grande. A redução da produção já é automática. No nosso município, deve ter caído uns 40%."

EMPRESÁRIO

Luiz Eduardo Batalha

Cultiva 400 hectares de oliveiras e tem projeto de fábrica de pellets em Pinheiro Machado

TEMPO EQUILIBRADO

"Para a olivicultura, o presente seria não chover na florada, que começa no mês de setembro. Neste ano, choveu muito fora de época, e isso atrapalha a produção. O pólen precisa se espalhar. Quando há precipitação por uma semana, 10 dias, o pólen fica empastado."

ESPAÇO NO PORTO

"Estamos na última fase do projeto para a instalação da fábrica de pellets (usados para a produção de energia). Montando parceria com empresa para ter um espaço no porto, porque todo o produto é voltado para a exportação. A assinatura dessa parceria seria um presente. Quando isso estiver pronto, posso dar andamento ao projeto. Quero ver se no primeiro semestre de 2018 colocamos a pedra fundamental da obra."

PESQUISADOR

Luiz Carlos Federizzi

Coordenador nacional da área de Ciências Agrárias I da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes)

RECURSOS

"O primeiro pedido seria recursos para a pesquisa. Nos últimos anos, têm sido muito limitados, tanto para pesquisa científica quanto para bolsas e para alunos. Porque, se temos, a coisa anda. O grande segredo seria ter recursos disponíveis, de maneira que pudessem ser aplicados."

PARCERIA PRIVADA

"As empresas do agronegócio precisam investir em pesquisa nas universidades. Hoje, recebem no mercado nosso aluno pronto. Está na hora de contribuírem com a gente, para o estudante poder ir para o Exterior, receber formação."

gisele.loeblein@zerohora.com.br gauchazh.com/giseleloeblein 3218-4709

GISELE LOEBLEIN

Fonte : Zero Hora