.........

CAMPO ABERTO | Gisele Loeblein GOVERNO RETOMA URGÊNCIA DO PL 214

.........
 
  • GOVERNO RETOMA URGÊNCIA DO PL 214

    A retomada do regime de urgência no projeto de lei que trata sobre a redução de créditos presumidos voltou a preocupar a indústria no Rio Grande do Sul. A proposta, do Executivo, acumula idas e vindas desde 2015.
    O argumento das empresas é que a redução em até 30% do benefício pode tirar a competitividade dos produtos gaúchos, diante do cenário de guerra fiscal entre os Estados.
    – No momento em que temos de trabalhar para recuperar o setor, não há espaço para mais impostos – pondera Alexandre Guerra, presidente do Sindicato da Indústria de Laticínios e Produtos Derivados (Sindilat-RS).
    Líder do governo na Assembleia Legislativa, o deputado Gabriel Souza (PMDB) diz que foram retomadas todas as urgências que haviam sido retiradas. Sobre o projeto de lei 214, que trata da redução dos créditos presumidos, afirma que há disposição do governo para diálogo.
    Designado como relator quando a proposta não tinha urgência, o deputado Elton Weber (PSB) garante que, “da forma como está, não passa”.
    O segmento seria diretamente atingido pela medida, justamente no momento em que tenta recuperar o patamar de produção após dois anos seguidos de recuo. Para 2017, a expectativa é de crescimento de 3%. O consumo, no entanto, ainda não conseguiu arrancar nos primeiros quatro meses do ano. A chegada de temperaturas mais baixas é a esperança de que os compradores fiquem mais sedentos pelo alimento.
    O consumidor é um dos personagens centrais da 40ª Expoleite e da 13ª Fenasul, que começam hoje no parque Assis Brasil, em Esteio.
    O fato é que 60% da produção de leite do RS é vendida para outros Estados. Mudança no compensação tributária poderia trazer dificuldades para os negócios.

  • DE CARA NOVA AOS 90

    Às vésperas de completar 90 anos, a Federação da Agricultura do Estado (Farsul) entregou ontem a ampliação da sede administrativa, em Porto Alegre. Também homenageou empresas e instituições que igualmente comemoram nove décadas de existência: Rádio Gaúcha, Hospital Moinhos de Vento e Federasul. O governador José Ivo Sartori participou da cerimônia.
    A obra do anexo se estendeu por 10 meses e duplicou o tamanho do complexo para 7 mil metros quadrados. O objetivo é concentrar os funcionários do Sistema Farsul no local. A Casa Rural, localizada no centro da Capital, será mantida.
    – Os 90 anos da Farsul estão a nos encontrar em um momento de solidez efetiva e de preparação para mais 10 anos, até chegar aos cem anos – diz Carlos Sperotto, presidente da entidade.

  • AZEDINHAS SOB MEDIDA

    Será bem ao gosto do freguês a safra de citros do Rio Grande do Sul neste ano. O consumidor brasileiro tem apetite por frutas graúdas, exatamente o que será obtido no atual ciclo. Quanto maior o tamanho, melhor o preço pago ao produtor. A abertura oficial da colheita será realizada hoje em Montenegro.
    – Neste ano, tivemos chuva regular e abundante no verão. O tamanho da fruta está muito bom – afirma Derli Paulo Bonine, assistente técnico regional da Emater.
    A expectativa é de que sejam colhidas 433 mil toneladas de citros (laranja, bergamota e limão) no Estado. O volume se mantém regular porque a área de cultivo não tem crescido.
    O Vale do Caí é a principal região produtora – serão 162 mil toneladas de frutas, 107 mil toneladas só de bergamota. De cada 10 bergamotas colhidas, sete são de lá. Cerca de 3,5 mil famílias estão envolvidas na produção no local – no Estado, são 10 mil.

  • NO RADAR
    A Comissão de Agricultura e Reforma Agrária do Senado deve votar hoje relatório do projeto de lei que altera as regras de rotulagem de alimentos com transgênicos. O relator Cidinho Campos sugere aprovação, com emenda apresentada.
    – – –
    A APOSENTADORIA DO AUDITOR FISCAL AGROPECUÁRIO PAULO MOTTA FOI CASSADA PELO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA. A DECISÃO FOI PUBLICADA NO DIÁRIO OFICIAL. ELE FOI ALVO DE INVESTIGAÇÃO DE ETAPA DA LEITE COMPEN$ADO.
    – – –
    O agronegócio deve injetar R$ 153,1 bilhões na economia gaúcha. Com o impacto do dólar no preço da soja, produtores recorrem a estratégias diferenciadas de vendas. A 3ª edição do Campo e Lavoura Especial – Da Terra à Mesa, que circula na edição de amanhã, abordará o tema Mercado.

  • Fonte: Zero Hora