.........

CAMPO ABERTO – Expointer em versão show

.........

O governo do Estado resolveu dar uma pausa na crise e optou por fazer um show para lançar a 40ª Expointer, na manhã de ontem. O local escolhido foi o Theatro São Pedro, na Capital. Teve humorista, apresentação de música e dança, além de homenagens. A Secretaria da Agricultura afirma que o evento não teve custo ? foi feito à base de parcerias.

? Este modelo é para podermos comemorar a 40ª edição. Fazemos no palco das artes o lançamento da feira que é o palco do campo ? justificou o secretário Ernani Polo sobre o do evento.

Teve até espaço para Charles Darwin, citado pelo secretário em seu discurso, com a frase: ?Não é o mais forte que sobrevive, nem o mais inteligente, mas sim, o que mais se adapta às mudanças?.

A 40ª edição da feira tem pela frente o desafio de driblar o cenário antagônico vivido por produtores: o ano foi de safra recorde, mas de rendimentos defasados, que deixaram a desejar e que podem impactar os negócios da exposição.

? O agro é uma marca da produção do Rio Grande. No ano passado, tivemos R$ 1,9 bilhão. Se mantivermos esses números, já será muito bom ? afirmou o governador José Ivo Sartori.

Polo enfatizou que há negócios iniciados na feira que acabam se concretizando depois e reforçou o papel de vitrine que a exposição tem.

Mais otimista, o presidente do Sindicato das Indústrias de Máquinas e Implementos Agrícolas do Estado (Simers), Claudio Bier, projeta aumento de vendas em relação à última edição:

? No ano passado, a feira foi no meio do processo de impeachment. Agora, o cenário é outro. Embora o preço das commodities não esteja tão bom, o agricultor busca a novidade.

A 40ª Expointer vai de 26 de agosto a 3 de setembro, no Parque de Exposições Assis Brasil, em Esteio.

A feira em três tempos

passado

O espaço para a exposição de animais, iniciada em 1901 na área onde hoje está o Parque da Redenção e depois transferida para o bairro Menino Deus, ficou pequeno. Uma nova área começou a ser buscada. Luciano Machado, então secretário da Agricultura, foi quem comandou a mudança para Esteio ? que inicialmente gerou polêmica e foi alvo de críticas. Em 1972, a feira ganhou, pela primeira vez, o nome de 1ª Exposição Internacional de Animais, a Expointer (acima).

presente

O lançamento da edição de número 40 foi celebrado com pompa e circunstância. Nos nove dias do evento, será preciso vencer o cenário de crise para convencer o produtor a realizar investimentos. As opiniões estão divididas entre os que projetam resultados iguais ou superiores aos do ano passado e os que entendem que a redução nos valores das commodities impactará no fôlego para os negócios. O clima político está mais ameno do que na edição anterior, quando ocorria o processo de impeachment.

futuro?

Em 2012, o então governador Tarso Genro lançou proposta de revitalização do parque Assis Brasil, com a promessa de um futuro diferente para o espaço. Em julho de 2015, a parceria público-privada entre o governo estadual e a Bolognesi foi firmada e fortaleceu a expectativa do projeto sair do papel. A empresa tinha um ano, após a receber licença ambiental, para a realizar a obra do dique. E 10 anos para concluir os investimentos privados (como o shopping). Mas está tudo parado e o governo não descarta romper contrato.

renda apertada

Não é de hoje que a Federação da Agricultura do Estado (Farsul) alerta que esse será um ano de safra cheia e bolso vazio para o produtor. Estudo apresentado ontem confirma este cenário. Na área de grãos (soja, milho, arroz e trigo), foram feitos levantamentos em Carazinho, Tupanciretã, Cruz Alta, Uruguaiana e Camaquã. Em pecuária, os dados referem-se a Santa Maria, Bagé, Lavras do Sul e Alegrete. Em Camaquã, por exemplo, a queda na rentabilidade da soja é de 55%. Os resultados refletem, segundo Antônio da Luz, economista-chefe do Sistema Farsul, preços reduzidos e custos em alta:

? Os gastos com a produção ainda são de 2016, quando o câmbio estava mais alto.

Para a economia, o volume maior da safra é excelente, mas a rentabilidade do produtor é outra coisa.

Um exemplo prático vem de Carazinho (veja ao lado). O aumento da receita foi de 1% na comparação entre a safra deste ano e a de 2016. No mesmo período, o aumento de produtividade, no entanto, segundo a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), foi de 13,1%. Ou seja, o aumento expressivo da colheita não foi suficiente para neutralizar a redução verificada nos preços das commodities.

? É preciso avaliar a venda, diminuir custos. É imperioso que o produtor trabalhe para a meta da propriedade, sem pensar nas do governo ou de vendedores ? orienta Luz.

no radar

Será durante a Expointer a primeira reunião da subcomissão das agroindústrias da Assembleia Legislativa. O encontro ocorre no dia 28 de agosto, em local a ser definido. Depois, haverá um giro pelo Estado, nos municípios de Cachoeira do Sul, Caxias do Sul, Pinhal Grande, Bom Jesus e Porto Alegre.

O Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) revisou para cima a estimativa da produção americana de soja na safra 2017/2018. A projeção agora é de 119,23 milhões de toneladas ? no mês passado, era de 115,94 milhões de toneladas.

homenagem

A cerimônia de lançamento também teve espaço para homenagem. Uma bandeira e um catálogo da primeira edição da Expointer, realizada em 1972, foram entregues. Entre os que receberam o objeto estava Luciano Lupisco Machado, 37 anos, produtor rural e neto de Luciano Machado, titular da secretaria da Agricultura que levou a exposição do bairro Menino Deus, em Porto Alegre, para a área em Esteio.

? Foi o maior feito da histórica pública do meu avô. Ele se orgulhava muito disso ? conta Luciano, sem esquecer que, na época, o avô enfrentou muita resistência quando apresentou a proposta de mudança de local.

Espaço familiar

O novo pavilhão da agricultura familiar ganha outro prazo para sair do papel, resta saber se agora a obra, aguardada desde 2011, sai. Segundo o diretor administrativo do parque Assis Brasil, Sandro Schlindwein, a expectativa é de que o edital de licitação saia antes do início da Expointer, que será no dia 26 de agosto. E a inauguração poderia ocorrer até fevereiro de 2018.

Os recursos já existem ? são R$ 1,46 milhão da União e R$ 1,32 milhão do Estado, que precisa depositar R$ 320 mil.

A construção começou em 2013, mas o contrato foi rompido. Com um segundo pavilhão, seria possível ampliar em 50% o número de agroindústrias participantes. Neste ano, serão 201 empreendimentos e projeção de superar os R$ 2 milhões.

gisele.loeblein@zerohora.com.br zerohora.com/giseleloeblein 3218-4709

GISELE LOEBLEIN

Fonte :  Zero Hora