CAFÉAGRICULTURANOTÍCIAS – SANIDADE – Café: audiência pública vai discutir controle da broca

Reunião está marcada para o dia 10, na Câmara dos Deputados, em Brasília (DF)

NOTÍCIAS RELACIONADAS
Exportações globais de café caem 3,6% em outubro, diz OIC
USDA reduz safra brasileira de café em 9%, para 49,4 milhões de sacas
Café apresenta cotações firmes no Brasil com dólar em alta
Produtor paulista de café projeta produção maior
USDA provoca alta no preço do café arábica
Exportações de café robusta crescem 10,3% neste ano
A audiência pública que discutirá os impactos da broca do café na cadeia produtiva do setor ocorrerá na quinta da semana que vem, dia 10, na Câmara dos Deputados, às 10h, em Brasília (DF). A reunião foi requerida pelo deputado federal Silas Brasileiro (PMDB/MG) à Comissão de Agricultura, Pecuária, Abastecimento e Desenvolvimento Rural da Câmara dos Deputados.

A broca do cafeeiro é uma preocupação da cadeia produtiva e da indústria desde 2013, por causa da suspensão do principal produto de controle da praga, o Endosulfan. Segundo a Associação dos Cafeicultores da Região de Patrocínio (Acarpa), produtores e técnicos relatam dificuldades para controlar o avanço gradual da praga nos cafezais, que provoca formação de grãos defeituosos, de baixa qualidade, fora dos padrões para a indústria de torrefação e para a exportação. "A intenção é que medidas breves de autorização de produtos específicos ao controle da broca sejam autorizadas pelos órgãos competentes", diz a Acarpa. 
  
Clima

O clima vem favorecendo o desenvolvimento das lavouras e animando produtores de arábica, que têm realizado os tratos culturais necessários. Na segunda quinzena de novembro, com os preços em alta, melhorou também o ritmo de negociação, segundo dados do Cepea.

A terceira semana do mês, período em que o Indicador CEPEA/ESALQ do arábica tipo 6 bebida dura para melhor, posto em São Paulo, beirou R$ 480/sc, foi a mais movimentada de novembro. O preço médio do mês, no entanto, foi um pouco menor que o de outubro. O Indicador CEPEA/ESALQ do arábica teve média de R$ 469,39/saca de 60 kg, 1,82% inferior à de outubro, mas ainda 1,83% acima da de novembro de 2014, em termos nominais.

Em parte do mês, o clima favorável, sobretudo em Minas Gerais, pressionou os valores do arábica. Em outros momentos, os preços foram impulsionados por dados indicando estoques mundiais menores.

Fonte : Canal Rural