CAFÉ – Especulação sobre safra de café do Brasil marcou novembro, diz OIC

Em novembro, o índice OIC que mede a evolução dos preços caiu 2,9% e fechou o mês em 115,03 centavos de dólar por libra-peso

café_grãos_plantação (Foto: Rogerio Albuquerque / Editora Globo)

café_grãos_plantação (Foto: Rogerio Albuquerque / Editora Globo)

A especulação sobre as perspectivas da nova safra 2016/2017 de café do Brasil influenciou a formação de preços do grão em novembro. A avaliação consta do relatório mensal da Organização Internacional do Café (OIC), divulgado na tarde desta segunda-feira (7/12), na capital britânica.

Para a entidade, as perspectivas da produção no Brasil são positivas e isso ajudou na queda do preço do grão de 2,9% no mês passado. A taxa de câmbio do real é outro fator de influência citado no relatório.

saiba mais

No documento, a OIC diz que as perspectivas para a nova safra brasileira "são positivas, ainda que haja alguma preocupação em relação ao conilon". A entidade, porém, não publicou números relativos ao Brasil.

Em meio a essa especulação, a OIC nota que os preços médios do grão "mostraram pouca tendência clara (durante o mês), mas encerraram o período em queda de quase 3%". "Commodities ficaram sujeitas às flutuações cambiais com o café proeminentemente afetado pelo real brasileiro", diz o relatório. "A taxa de câmbio do real estabilizou ligeiramente, mas os fortes níveis de exportação do Brasil mantiveram a pressão negativa sobre omercado cafeeiro", explica.

Em novembro, o índice OIC que mede a evolução dos preços caiu 2,9% e fechou o mês em 115,03 centavos de dólar por libra-peso. Esse é o segundo menor nível em quase dois anos. Durante o mês, o preço médio diário variou de 118,30 centavos na máxima até 110,45 centavos na mínimo de novembro, quando foi atingido o menor patamar desde janeiro de 2014. Considerados os vários tipos de café, o indicador da OIC mostrou queda do arábica (-3,1%), colombianos (-3,4%), brasileiros (-3,5%) e robusta (-1,3%) no mês.

O relatório nota, ainda, que a arbitragem ou diferença de preços entre o arábica negociado nomercado futuro de Nova York e do robusta comercializado em Londres caiu 11,1% para 50,31 centavos. Essa menor diferença pode ajudar o preço do café arábica, diz a OIC. Os dados da OIC mostram que a produção na safra 2014/15 somou 143,3 milhões de sacas. O consumo no ano calendário de 2014 foi revisado para cima e alcançou 149,8 milhões de sacas devido à expectativa de maior demanda da União Europeia.

POR ESTADÃO CONTEÚDO

Fonte : Globo Rural