.........

BrasilAgro lucrou R$ 21,1 milhões no 4º tri

.........

O clima favorável da safra 2016/17 ajudou a BrasilAgro – empresa focada no desenvolvimento de terras agrícolas com atuação no Brasil e no Paraguai – a registrar lucro líquido de R$ 21,1 milhões no quarto trimestre fiscal de 2017 (safra 2016/17), encerrado em junho. No mesmo período do ciclo anterior, a empresa havia registrado prejuízo líquido de R$ 16,995 milhões.

No ano fiscal de 2017, o lucro acumulado foi de R$ 27,3 milhões, mais que o triplo do registrado do ano fiscal 2016.

De acordo com André Guillaumon, presidente da companhia, o bom desempenho também é consequência da estratégia comercial imobiliária. "Vendemos ativos com taxas de retorno interessantes, entre 16% e 20% neste ano".

Ele ressaltou, ainda, que a compra de parte da Fazenda São José, no sul do Maranhão, – onde a BrasilAgro pretende plantar soja precoce e milho de segunda safra – e a parceria na mesma fazenda para produção de cana gerarão "estabilidade operacional na companhia".

No quarto trimestre da safra 2016/17, a BrasilAgro teve receita líquida de R$ 115,8 milhões, mais que o dobro da vista em igual período da safra 2015/16. Nos quatro trimestres, a companhia aumentou receita líquida de R$ 193,5 milhões, aumento de 43,2% na comparação anual.

Na safra 2016/17, a maior parte da receita da BrasilAgro veio da venda de grãos, somando R$ 71,2 milhões, alta de 13,3% ante o ciclo 2015/16. A receita com venda de fazendas e arrendamentos ficou em R$ 38,8 milhões no período.

Guillaumon destacou que, para mitigar riscos, a companhia deve manter a estratégia de investir em pecuária no oeste da Bahia. Até junho deste ano, a empresa tinha 7.894 cabeças de gado bovino nas Fazenda Preferência e Jatobá.

O lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) da BrasilAgro somou R$ 22,8 milhões no quarto trimestre da safra 2016/17, após ter ficado negativo em R$ 3,3 milhões no mesmo trimestre de 2015/16. Em todo o ano-safra 2016/17, o Ebitda alcançou R$ 20 milhões, após resultado negativo em R$ 6,5 milhões na safra 2015/16.

Para o ciclo 2017/18, Guillaumon informou que deve haver aumento da área total plantada entre 20% e 25% em decorrência da compra da Fazenda São José.

Por Kauanna Navarro | De São Paulo

Fonte : Valor