Brasil se beneficia de dólar e toma mercado de grãos dos EUA

AGR Brasil aposta que país pode chegar pela primeira vez à marca de 50 milhões de toneladas de soja embarcadas, se tornando líder mundial disparado

NOTÍCIAS RELACIONADAS
Safra 2015/2016 de soja de Mato Grosso terá maior custo da história
USDA: condição de safra de soja americana se mantém estável
Justiça do Rio Grande do Sul suspende cobrança na moega da soja Intacta RR2 Pro
Clima deve definir preços futuros de milho e soja
O Brasil segue exportando grandes quantidades de soja e milho nesta safra. Conforme a AGR Brasil, o real desvalorizado ajuda a reduzir o preço dos grãos exportados pelo Brasil frente aos dos Estados Unidos, o que traz uma demanda maior para o país. A nota é do boletim desta quarta, dia 29.

A vantagem dessa demanda maior para o produtor brasileiro, segundo a AGR, é que a procura continua forte, quando em outros anos ela já estaria sendo substituída pelos grãos norte-americanos. Como o produto brasileiro é mais barato, a demanda se reduz nos EUA e continua forte no Brasil.

– Existe a previsão de que as exportações brasileiras [de milho] ultrapassem com folga a safra 2012/2013, ano em que os EUA sofreram forte seca – registra a consultoria.

Já no caso da soja, as exportações deste ano já são recorde absoluto e ainda devem continuar crescendo nos próximos dias. Historicamente, os Estados Unidos passam a realizar mais vendas da safra nova a partir de junho de cada ano. A AGR indica que, este ano, porém, a alta do dólar assim como a produção recorde no Brasil têm possibilitado que o país seja bem mais competitivo no mercado global do que os EUA.

Os preços de soja na Bolsa de Chicago (CBOT) e no mercado exportador norte-americano ainda estão elevados para concorrer com o produto brasileiro e argentino. Segundo a consultoria, é impossível prever a quantidade final de soja que será exportada, mas o ritmo atual mostra que o Brasil pode não só chegar pela primeira vez à marca de 50 milhões de toneladas embarcadas, como pode facilmente ultrapassar esta marca na próxima safra, se tornando o país líder mundial disparado de exportação.

A AGR Brasil estima que dentro do quadro atual, os EUA devem exportar entre 44 e 47 milhões de toneladas para a safra 2015/2016.

Camila Domingues
Fonte: Canal Rural