.........

Brasil quer voltar a discutir salvaguarda chinesa ao açúcar

.........

O Brasil reclamou com a China que suas exportações de açúcar ao mercado chinês caíram a zero desde que Pequim aplicou em maio salvaguarda sobre o produto, e pediu a reabertura de discussões sobre essa medida que causa prejuízos aos produtores brasileiros.

Durante reunião da Subcomissão Econômica e Comercial bilateral, em Pequim, nesta semana, a delegação brasileira também insistiu para que a investigação antidumping aberta contra o frango brasileiro pelos chineses seja feita de acordo estrito com as regras, confiante de que se for assim não haverá sobretaxa. "Nossos pleitos foram bem recebidos pelas autoridades chinesas e esperamos corrigir essa situação que afeta produtos que começam a ser mais elaborados na nossa pauta comercial para lá", afirmou o subsecretário de Assuntos Econômicos e Financeiros do Itamaraty, embaixador Carlos Márcio Cozendey.

A abertura de investigações chinesas contra produtos brasileiros não é uma raridade. Pequim já alvejou também a entrada de celulose brasileira.

A preocupação em Brasília é que a pauta das exportações para a China já é muito concentrada em matérias-primas, e quando um produto processado começa a ganhar espaço é submetido a ação de defesa comercial chinesa. Assim, fica complicado diversificar a pauta exportadora sem o mínimo de produtos processados, concordam negociadores.

Em maio, a China, maior importador mundial de açúcar, efetivou a medida de salvaguarda, mecanismo de defesa comercial raríssimo. O resultado foi que desde então as exportações brasileiras do produto caíram a zero para o mercado chinês.

Pequim aumentou de 50% para 95% a tarifa na importação de açúcar fora da cota, para proteger a produção local. Além disso, manteve em 15% a tarifa na importação de até 1,95 milhão de toneladas de açúcar, ou seja, dentro de uma cota que é administrada pelas autoridades chinesas.

Por sua vez, a tarifa extra-cota, que era de 50%, será alterada de forma escalonada: passa para 95% no primeiro ano, cai para 90% em 2018 e para 85% em 2019.

O Brasil exportava cerca de 2,5 milhões de toneladas por ano de açúcar à China, 50% do total importado pelo país asiático e 10% de todo o volume de açúcar que o Brasil vende para o exterior.

No caso do frango, a investigação antidumping anunciada semana passada afeta basicamente o Brasil, origem de 83% do que a China compra no exterior, mas que representa só 3% do consumo interno. A delegação brasileira insistiu na aplicação estrita do Acordo Antidumping da Organização Mundial do Comércio (OMC), e lembrou aos chineses que o frango não sofre sobretaxa por preço desleal em nenhum mercado no mundo.

Ou seja, outros países abriram investigações, mas não conseguiram aplicar sobretaxa.

Por De Genebra

Fonte : Valor