Brasil marca presença no Congresso Internacional de Engenharia de Alimentos

O International Congress on Enginnering and Food, ICEF 12 (Congresso Internacional de Engenharia de Alimentos, tradução livre) foi realizado em Québec, no Canadá, no mês de junho. O evento acontece a cada quatro anos e atrai pesquisadores do mundo todo, tanto da área da indústria quanto acadêmica. Nessa edição, o Brasil foi o quinto país com o maior número de participantes.

Os congressistas puderam ter uma visão geral das principais tendências nas pesquisas de engenharia de alimentos, desde os processamentos convencionais até as tecnologias emergentes, além de debater sobre segurança e caracterização físico-química e funcional dos alimentos. Segundo a pesquisadora da Embrapa Agroindústria de Alimentos, Renata Tonon, "a participação em eventos como este permite uma troca de conhecimentos e interação entre profissionais de universidades, instituições de pesquisa e empresas, permitindo o surgimento de novas ideias e criando oportunidades para o desenvolvimento de projetos conjuntos".

Após o congresso, a pesquisadora visitou a Planta Piloto de Processamento de Alimentos da Université Laval, que atende tanto aos pesquisadores da universidade quanto a empresas privadas, atuando em processos de separação, concentração e secagem de alimentos. Visitou também o Instituto de Nutrição e Alimentos Funcionais (INAF), da mesma universidade, onde são feitos estudos voltados para o papel dos alimentos na prevenção de doenças crônicas. "Essa foi uma das partes mais interessantes da visita. Além dos laboratórios responsáveis pelas avaliações de composição química e bioacessibilidade in vitro, o instituto conta com um restaurante no qual voluntários fazem suas refeições com alimentos preparados/fortificados com determinados compostos, bem como uma área onde são feitas periodicamente medidas de pressão arterial e coleta de sangue destes voluntários", Renata pontua.

A cientista apresentou dois de seus trabalhos, o primeiro ligado à emulsificação utilizando processos com membranas e o segundo à concentração de licopeno em sucos de tomate processados por microfiltração e osmose reversa.

 

Colaboração: Glauco Lessa

Fonte : Embrapa