.........

Brasil Ecodiesel muda de ideia e decide analisar a incorporação da Vanguarda

.........

Fonte: Valor | Denise Carvalho | De São Paulo

A aprovação pelo conselho de administração da Brasil Ecodiesel da criação de um comitê para avaliar a incorporação da produtora de soja e algodão Vanguarda, por unanimidade, foi recebida com restrições por analistas. Ontem, a ação da empresa caiu 1,42%, para R$ 0,69.

A aprovação ocorreu na terça-feira, em reunião realizada na sede da empresa, em São Paulo. No mesmo encontro, o conselho decidiu convocar assembleia de acionistas, para 1º de julho, para votar a destituição dos atuais membros dos conselhos de administração e fiscal e eleger novos integrantes.

As restrições dos analistas se devem, principalmente, ao fato do conselho já ter rejeitado a formação do comitê de estudos, em reunião no dia 11 de maio. Na ocasião, o veto evidenciou que havia desentendimentos entre os principais acionistas da Brasil Ecodiesel, o espanhol Enrique Bañuelos e o investidor brasileiro Silvio Tini, sobre a incorporação da Vanguarda.

A criação do comitê de avaliação era necessário porque Bañuelos, que apresentou a proposta de incorporação no início do ano, também é dono de 50% da Vanguarda. A outra metade pertence ao fundador da empresa, Otaviano Pivetta, ex-deputado estadual do Mato Grosso.

"É no mínimo curioso que o conselho que vetou o estudo da operação tenha, agora, aprovado a criação do comitê", diz o analista Erick Scott, da corretora SLW. "Não mudou nada na operação da Vanguarda desde então que justificasse a nova postura do conselho", afirmou.

Para o analista, a aprovação indica que a operação de incorporação pode ser feita em outros moldes em relação à proposta original. Pela proposta, a Brasil Ecodiesel teria que fazer um aumento de capital de R$ 1,2 bilhão para incorporar a Vanguarda.

Nessa operação, as 1,08 bilhão de ações ordinárias (com direito a voto) da Brasil Ecodiesel foram avaliadas em R$ 964,9 milhões, equivalente a R$ 0,89 por ação.

"O problema desse formato é que o acionista minoritário que não quiser ser diluído terá que acompanhar o aumento de capital ao preço de R$ 0,89. Isso não faz sentido hoje, porque é possível comprar as ações com valor 22% mais baixo na bolsa", diz Scott.

Para fontes próximas da Brasil Ecodiesel, a entrada do empresário e investidor Hélio Seibel no capital da empresa, anunciada no início de junho, pode ter apaziguado a disputa entre Bañuelos e Tini. Seibel adquiriu 8,8% da Vila Rica, o braço de investimento de Bañuelos na Brasil Ecodiesel. Dono da Leo Madeiras e um dos maiores investidores individuais da Duratex, Seibel não revelou o valor da transação.

"A venda para o Seibel foi a materialização da promessa de Bañuelos ao Tini de que ele não pretende ter mais do que 20% a 30% do capital da Brasil Ecodiesel", diz uma fonte que não quis se identificar. Na incorporação da Vanguarda, Bañuelos passaria a deter mais de 40% da nova empresa. Procurados, os executivos Tini e os representantes de Bañuelos no Brasil não quiseram se pronunciar.