Boas práticas, bons exemplos

Assentados da reforma agrária, agricultores familiares, agentes e instituições prestadoras de Ater receberam o certificado de Boas Práticas

Esta quarta-feira (02) foi dia de reconhecimento para beneficiados e prestadores de Assistência Técnica e Extensão Rural (Ater).  Ao todo, 57 assentados da reforma agrária, agricultores familiares, agentes e instituições prestadoras de Ater receberam o certificado de Boas Práticas.  A entrega foi feita pelo ministro Patrus Ananias, durante o Seminário Nacional de Boas Práticas em Ater. O evento, realizado em Brasília, teve como objetivo, dar visibilidade à ação e criar referências de assistência para a agricultura familiar.

“A Ater é fundamental na busca dos nossos objetivos estratégicos. Nós queremos promover, e já estamos promovendo, o desenvolvimento da agricultura familiar no Brasil”, salientou o ministro ao citar três metas fundamentais do MDA: o estímulo ao cooperativismo, à agroecologia e à produção de alimentos saudáveis, que efetivamente promovam a saúde das pessoas.

Patrus disse ainda que a assistência ajuda na qualificação da produção da agricultura familiar, por meio da agregação de valor,  da agroindústria, da compra direta e do acesso ao mercado. “Esse é o trabalho da Ater, ajudar essas pessoas a desenvolverem as dimensões que são fundamentais para seu êxito”, observou.

A agricultora familiar Evelice Rosa Silva foi uma das certificadas. Ela vive no povoado Lagoa do Peixe, no território de Irecê (BA). Ela coordena um grupo de dezenove mulheres assentadas da reforma agrária que, cultivam hortaliças, por meio da agroecologia, além de fabricar pães e doces.  Tudo que elas produzem é vendido para os programas de Aquisição de Alimentos (PAA) e de Alimentação Escolar (Pnae). “A nossa vida foi transformada, mudou em tudo. Ajudou no reconhecimento do gênero, na questão financeira e na autonomia. Praticamente a Ater mudou nossa vida em tudo”, ressaltou Evelice ao falar da importância dos treinamentos e capacitações que receberam dos agentes.

Lançamentos

Durante o seminário, Patrus Ananias anunciou um Acordo de Colaboração Técnica, entre o MDA e o Fundo das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO), que prevê a colaboração do Brasil com boas práticas em Ater que serão replicadas pela FAO. “Vemos muitos avanços nos últimos dez anos”, reconheceu Alan Bojanic, representante da FAO no Brasil, que esteve presente no evento. “O que vimos aqui no seminário são boas práticas que têm mudado a vida das pessoas em questões importantes, gerando igualdade, autonomia, trabalho e organização das mulheres.  Ficamos muito contentes, com essa grande projeção que tem a Ater no Brasil. E nós vamos continuar apoiando e usando esses exemplos em outros países”, garantiu.

Também foi anunciado, pelo ministro, o edital de Adesão e Classificação de Cooperativas e Associações para Recebimento de Serviços de Ater Mais Gestão.  O objetivo é ampliar as atuais 450 cooperativas atendidas, para mil em 2016; em 2017 aumentar para 1.500; e em 2018 para duas mil cooperativas.

No evento, também foram lançados os livros: ‘Pesquisa e Extensão Rural para a Agricultura Familiar – no âmbito da Política Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural’ e ‘Os Povos e Comunidades Tradicionais e o Ano Internacional da Agricultura Familiar’.

Mais reconhecimento

Nesta quarta-feira, durante o seminário, também foi entregue pelo ministro Patrus Ananias o Troféu Boas Práticas de Ater. Dez instituições ligadas à assistência técnica tiveram o trabalho reconhecido com a premiação.

O coordenador de Inovação e Sustentabilidade do Departamento de Assistência Técnica e Extensão Rural (Dater) do MDA, Hur Ben Corrêa da Silva, e o consultor da FAO para a Região Sul do Brasil, Valter Bianchini, também receberam o troféu em reconhecimento ao trabalho prestado para o desenvolvimento da agricultura familiar e extensão rural no Brasil.

Adolfo Brito

Ascom/MDA

Fonte : MDA