BNDES reduz juros de financiamento de armazenagem de grãos para 3,5% ao ano

Programa terá mais R$ 1 bilhão de orçamento, com prazos de pagamento ampliados para 180 meses

Divulgação/Sxc

Foto: Divulgação/Sxc

Produtores de grãos contarão com uma linha de crédito mais barata

A diretoria do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) aprovou alteração no Programa de Incentivo à Armazenagem para Empresas Cerealistas Nacionais (BNDES Cerealistas), que passa a operar no âmbito do Programa BNDES de Sustentação do Investimento (BNDES PSI). O objetivo é financiar a construção e a ampliação de silos e estruturas auxiliares.
Com esta nova versão do programa, os produtores de grãos contarão com uma linha de crédito mais barata, já que a taxa de juros passa de 5% ao ano (TJLP) acrescida das remunerações do BNDES e do Agente Financeiro, na versão anterior, para 3,5% ao ano.
O total de recursos disponíveis para financiamento com a nova taxa de juros foi fixado em R$ 1 bilhão, além dos R$ 500 milhões já disponíveis para contratação com a taxa anterior. O prazo de pagamento será de 180 meses, incluindo a carência de até três anos, o que também representa uma melhora, já que o prazo total anterior era de 144 meses. As novas condições passarão a valer para operações contratadas até 31 de dezembro próximo.
Os beneficiários serão empresas cerealistas, com sede e administração no Brasil, que exerçam as atividades de secar, limpar, padronizar, armazenar e comercializar produtos in natura de origem vegetal.
A alteração foi aprovada, inicialmente, pelo Conselho Monetário Nacional, em sua reunião no último dia 28, e agora referendada pela diretoria do BNDES.
O BNDES Cerealistas foi criado em abril de 2008, com o objetivo de apoiar o desenvolvimento e a modernização do setor de armazenagem nacional, bem como a ampliação de sua capacidade.
De 2008 até o final de abril deste ano, foram registradas 106 operações, para as quais o BNDES desembolsou R$ 221,8 milhões.

BNDES

Fonte: Ruralbr