.........

BB planeja incremento a operações de agronegócio

.........

JONATHAN HECKLER/JC

Hübner assumiu o comando da unidade regional da instituição

Hübner assumiu o comando da unidade regional da instituição

O novo superintendente do Banco do Brasil (BB) no Rio Grande do Sul, Tarcísio Hübner, planeja aproveitar a nova dinâmica de consumo criada pela redução das taxas de juro. Com passagens por regionais como Mato Grosso do Sul e Tocantins, Hübner se diz preparado para incrementar a participação do banco no agronegócio gaúcho, considerado o carro-chefe das operações da instituição no Estado. “Aqui temos um mix de grandes empresas, agricultura forte e varejo aquecido. Estamos preparados para manter o planejamento e conduzir a continuidade de crescimento de nossas carteiras nas mais variadas áreas”, antecipa.
Hübner, que substitui a José Carlos Reis da Silva, nomeado diretor de distribuição do BB, identifica um novo momento econômico no País e ressalta a atuação dos bancos públicos no processo de consolidação do consumo com as taxas em queda. “O momento é propício para isso, em razão de uma redução expressiva dos juros. A tendência é de uma nova dinâmica de consumo e investimento. É uma nova economia que se forma, e o crédito para o consumo é uma alavanca para esta situação”, salienta.
O novo superintendente ainda ostenta no currículo o fato de ter conduzido o ingresso de agências nas regiões pacificadas do Rio de Janeiro. Três unidades inauguradas no Morro do Alemão, na Cidade de Deus e na Rocinha foram responsáveis por dar início à formalização de pequenos negócios, em localidades com grande potencial de consumo. A experiência, segundo ele, abriu os caminhos para enfrentar desafios ligados ao desenvolvimento do microcrédito orientado.
Neste aspecto, a posse de Hübner coincide com a criação de uma linha inédita de acessibilidade, destinada aos financiamentos para aquisição de bens e serviços utilizados por pessoas com deficiência. Com 100% do valor coberto, taxas entre 0,57% e 0,64% e teto de R$ 30 mil, a linha garante um reforço na imagem da instituição. “Temos uma expectativa da sociedade para que exerçamos a nossa condição de banco público, e este tipo de produto reforça essa condição, que já pode ser percebida de maneira crescente em todos os níveis da instituição”, afirma.   

Banco faz captação de 24,7 bilhões de ienes em bônus de três anos

O Banco do Brasil realizou na sexta-feira uma captação pública de dívida sênior no Japão no valor de 24,7 bilhões de ienes, equivalente a US$ 320 milhões. O título foi emitido pelo prazo de três anos, com vencimento em 25 de setembro de 2015 e taxa de juros (yield) de 1,8% ao ano. Conforme o comunicado do BB, “essa operação demonstra o comprometimento da instituição na diversificação de sua base de investidores, buscando novos mercados”. O diretor de finanças do Banco do Brasil, José Maurício Pereira Coelho, disse que a captação está em linha com a estratégia do banco: ampliar a diversificação de moedas, construir curva do mercado de capitais, aumentar o mercado secundário para os aplicadores e expandir a base de investidores.

Fonte: Jornal do Comércio