.........

Barreiras às exportações e reforma do Código Florestal serão debatidas na próxima semana

.........

Fonte: Ricardo Koiti Koshimizu / Agência Senado

Estão previstos dois debates para a semana que vem na Comissão de Agricultura e Reforma Agrária do Senado (CRA). O primeiro, na quinta-feira (4), às 8h30, será uma audiência pública sobre os acordos internacionais, no âmbito do Mercosul, que afetam diretamente as cadeias produtivas de leite, arroz, trigo, carne e vinho. O segundo, na sexta-feira (5), às 14h, visa discutir – no âmbito do projeto de novo Código Florestal – os custos e os impactos econômicos da recomposição ambiental de áreas produtivas.

A audiência pública do dia 4 foi solicitada pela senadora Ana Amélia (PP-RS) e será realizada na sala 15 da Ala Alexandre Costa do Senado. Ela quer discutir as "assimetrias" do Mercosul, e cita como exemplo as barreiras que a Argentina impõe aos produtos brasileiros sem que haja contrapartida por parte do Brasil.

Entre os convidados para a audiência, estão o ministro do Desenvolvimento, Fernando Pimentel; o presidente da Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carnes (Abiec), Antonio Camardelli; o diretor executivo do Instituto Brasileiro do Vinho (Ibravin), Raimundo Paviani; o presidente da Cooperativa Agropecuária & Industrial (Cotrijui), Carlos Poletto; e Rodrigo Alvim, representante da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA).

Já o encontro do dia 5, a ser realizado na sala 13 da Ala Alexandre Costa, faz parte do ciclo de debates sobre agropecuária que vem sendo promovido pela CRA nas tardes de sexta-feira. E, ao tratar da recomposição ambiental de áreas produtivas, também faz parte das discussões sobre o PLC 30/11, projeto de lei do Novo Código Florestal.

Foram convidados para o debate o procurador da Fazenda Nacional Luiz Carlos Silva de Moraes; o assessor econômico da Federação da Agricultura do Estado do Rio Grande do Sul (Farsul) Antônio da Luz; o secretário-adjunto de Política Econômica do Ministério da Fazenda Gilson Bittencourt; e o presidente da Confederação Nacional de Municípios, Paulo Ziulkoski.