Banco do Brasil abre crédito em MT

Com o desafio de manter o crescimento das liberações de recursos para os setores agropecuário e empresarial de Mato Grosso, a Superintendência Regional do Banco do Brasil anunciou a abertura do prazo para a obtenção de crédito para custeio e investimento da safra 2011/12. Além das tradicionais linhas de custeio agropecuário com recursos controlados, este ano o BB ampliou os prazos na linha Manual do Crédito Rural (MCR 6-2) Investimento.

Com a abertura do prazo, o produtor rural já pode contratar custeio agropecuário com recursos controlados do MCR, com encargos de 6,75% ao ano e FCO (Fundo Centro-Oeste) para custeio a juros pré-fixados que oscilam entre 5% e 8,50% ao ano, com bônus de adimplência de 15%, sem incidência de IOF (Imposto sobre Operações Financeiras). Além disso, o teto das linhas de custeio pode ser elevado em até 45% quando da contratação de mitigadores de preço e/ou produção ou quando ocorrer plantio direto na palha. Os recursos para custeio são destinados ao preparo do plantio da safra.

Para complementar a necessidade de crédito do produtor, o BB oferece também a Cédula de Produto Rural Financeira (CPRF) para produtos como arroz, milho, soja e bovinos, ou custeios com recursos não controlados. Nas duas modalidades, segundo a Superintendência do BB, os encargos são “bastante competitivos” em relação às instituições de crédito privadas.

Para o produtor que quer investir, estão disponíveis as linhas de investimento do FCO, BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social), MCR 6-2 e recursos não controlados. A inovação ocorreu nos prazos do MCR 6-2 Investimento, que possui teto de R$ 200 mil por beneficiário/safra e juros pré-fixados de 6,75% ao ano. Os novos prazos são 5 anos para aquisição de bovinos e correção de solo, 6 anos para tratores, 8 para colheitadeiras e 12 anos para equipamentos de irrigação ou armazenagem. O BB lembra que a aprovação de propostas está sujeita à análise cadastral e de crédito do proponente.

DEMANDA

“Mato Grosso é um Estado forte no agronegócio e tem uma grande demanda por recursos no setor agrícola. O Banco do Brasil também ter um forte compromisso com a agricultura e vai concentrar seus esforços no sentido de facilitar os financiamentos e dar o máximo apoio aos produtores”, disse uma fonte do BB, acrescentando que a prioridade da Superintendência Regional é apoiar o desenvolvimento do agronegócio e de outros setores da economia, como a área empresarial, através de mecanismos de financiamento que favoreçam os investimentos e estimulem o crescimento do Estado. “Somos atores importantes neste processo de desenvolvimento e sempre estaremos dispostos a contribuir para que o crescimento se dê de uma forma rápida e sustentável”, salientou.

No ano passado, as liberações totais do Banco do Brasil para a safra 2010/11 em Mato Grosso, avançaram 1,50% em relação a igual período do ano anterior. As aplicações saltaram de R$ 1,33 bilhão para R$ 1,35 bilhão na comparação entre os dois períodos. Os números referem-se às liberações de recursos para a agricultura empresarial (grandes e médios produtores) e familiar (pequenos), contemplando também as áreas de investimentos, custeio e comercialização.

O segmento agroempresarial do Estado abocanhou R$ 1,22 bilhão dos recursos destinados à agricultura. Desse total, R$ 951,7 bilhões referem-se a operações de custeio. Investimentos ficaram com R$ 150,5 milhões, seguidos do item comercialização (R$ 122,2 milhões). A agricultura familiar foi contemplada com R$ 124 milhões.

Diário de Cuiabá