.........

AVALIAÇÃO – Mapa debate critérios para reavaliação de agrotóxicos

.........

O objetivo é levantar dados científicos e econômicos que comprovem a importância dos seis princípios ativos que são questionados atualmente pela justiça brasileira: lactofen, carbofurano, abamectina, tiran, paraquate e glifosato

NOTÍCIAS RELACIONADAS
Uso de agrotóxicos mais que dobrou entre 2002 e 2012
Armadilha para combater a broca do café é alternativa ao uso de agrotóxicos
Izabella Teixeira defende redução de agrotóxicos
O mercado irregular de agrotóxicos no país
O Ministério da Agricultura convocou especialistas do governo e da iniciativa privada para discutir o processo de reavaliação dos agroquímicos usados na produção agrícola do país. O encontro começou nessa terça, dia 11, e vai até a próxima quinta, dia 13, em Brasília.

O objetivo é levantar dados científicos e econômicos que comprovem a importância dos seis princípios ativos que são questionados atualmente pela justiça brasileira: lactofen, carbofurano, abamectina, tiran, paraquate e glifosato. O evento reúne pesquisadores e técnicos de indústrias, da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), do Ministério do Meio Ambiente, além de profissionais da própria pasta comandada por Kátia Abreu.

A Anvisa tem até o dia 23 de setembro, segundo determinação do Ministério Público Federal, para concluir a reavaliação desses defensivos. Segundo o diretor do Departamento de Fiscalização de Insumos Agrícolas, Girabis Evangelista Ramos, o espaço de tempo dado é inexequível por se tratar de uma análise –técnica, detalhista e complicada–, disse.

Ele destacou a importância dos agroquímicos, principalmente glifosato e paraquate, para a manutenção de práticas conservacionistas, como o plantio direto.

–Estamos querendo avançar. A reavaliação tem que ser em ambiente científico e não baseada em questões suspeitas e não comprovadas. Há um contraponto. O Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento (Mapa) quer mostrar a importância dos ingredientes ativos para a agricultura e conhecer os aspectos toxicológicos– afirmou.

A Anvisa já solicitou uma revisão da decisão da justiça, mas ainda não foi apreciada. –Para o glifosato aguardávamos a publicação do parecer do Iarc que saiu agora no final de julho. Sem o estudo necessário é impossível de ser concluído em um período de tempo tão curto –, avaliou a gerente geral de Toxicologia da Anvisa, Ana Maria Vekic.

A pesquisa da Agência Internacional de Pesquisa sobre o Câncer (Iarc) embasaram os questionamentos do MPF sobre os seis defensivos.

Nesta quarta, dia12, o seminário terá palestras sobre glifosato, paraquate e carbofuran, no Auditório Maior do Ministério da Agricultura. Na quinta, dia 13, o encerramento do evento será realizado na sede da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA).

Fonte : Canal Rural