Autuação da Receita derruba ações da Camil

Uma semana depois de abrir seu capital na B3, a Camil Alimentos sofreu sua primeira oscilação forte de ações. Após receber um auto de infração da Receita no valor de R$ 270,12 milhões, seus papéis fecharam em queda ontem de 3,35%. Com isso, o valor de mercado da companhia ficou R$ 123 milhões menor.

O fisco notificou a Camil por uma suposta redução na base de cálculo de impostos gerado na incorporação de quatro empresas, entre 2011 e 2012: Femepe, Canadá, GIF Codajas e Docelar. A companhia afirmou que vai recorrer.

Segundo a Receita, a Camil deve R$ 198,4 milhões em imposto de renda e R$ 71,72 milhões referentes à Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL).

Em comunicado ao mercado, a companhia afirmou "que o ágio foi constituído regularmente, em estrita conformidade com a legislação fiscal", e "esclareceu que continuará a amortizar, para fins fiscais, o ágio, na forma da legislação vigente".

Os papéis da Camil estrearam na B3 no dia 28 de setembro, após um IPO que movimentou R$ 1,15 bilhão. Segundo a companhia, o objetivo é usar os recursos para expandir o portfólio e comprar empresas do setor de mercearia seca no Brasil e em outros países da América do Sul.

Criada em 1963 com foco na distribuição de arroz e, posteriormente, de feijão, a Camil hoje atua também com pescados e açúcares e está presente no Brasil, Uruguai, Chile e Peru. No último ano fiscal, registrou receita líquida de R$ 5,7 bilhões e lucro líquido de R$ 201,5 milhões.

Por Fernanda Pressinott | De São Paulo

Fonte : Valor