ATRASO – Entrega de novo sistema de inspeção sanitária será prorrogada

Grupo de trabalho que fará a reestruturação está reunido esta semana para um ciclo de debates em Brasília (DF)

NOTÍCIAS RELACIONADAS
Ministério da Agricultura estuda implementação de terceirização na inspeção
Fiscais protestam contra terceirização
CNA pede publicação imediata do novo regulamento de inspeção sanitária
Grupo de Trabalho responsável por modernização da inspeção federal faz primeira reunião
O prazo para a entrega do novo sistema de inspeção sanitária do país será prorrogado. O principal ponto de polêmica do novo sistema é a possibilidade de contratar médicos veterinários da iniciativa privada para fazer a inspeção nos frigoríficos que comercializam no mercado interno. O órgão de defesa de Santa Catarina apresentou o modelo utilizado no estado, onde 363 veterinários privados atuam no setor de inspeção com aprovação do Tribunal de Justiça.

– Em Santa Catarina já existe essa legalidade, então o Tribunal Regional já deu o reconhecimento dessa atividade; então, para Santa Catarina ele está no modo legal. O que existe hoje é uma resistência do Ministério da Agricultura em reconhecer a atuação desse médico veterinário como um cara competente e apto para exercer sua atividade dentro do estabelecimento – afirma Sergio Borges, gerente de inspeção de SC CIDASC.

Já o professor da Faculdade de Veterinária da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Luis Gustavo Corbelini, apoia o sistema que só permite veterinários públicos.

– A saúde é um bem público, então ficamos na dúvida de qual modelo poderia se adequar entre lucro e saúde pública. É uma coisa que tem que ser bem debatida, um debate aberto, mas temos que ter em vista esse conflito de interesses entre o lucro e o bem público – ressalta.

Mesmo com opiniões divergentes, os participantes do grupo de trabalho prometem um diálogo aberto para definir quais serão as mudanças nos serviços de inspeção.

– Foi uma orientação no âmbito do departamento, do Dipoa [Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Animal], e uma indicação do nosso sindicato, da Anffa Sindical, é que a gente venha desarmado para poder ouvir e entender o processo – diz o fiscal agropecuário Leandro Feijó.

Para construir um modelo de inspeção que seja consenso, será necessário prorrogar o prazo. A portaria definiu 90 dias para conclusão dos estudos: até o mês de outubro. O grupo de trabalho já articula para ampliar este prazo.

– Já foi previsto uma ampliação de solicitação de prazo, principalmente para que a gente tenha o máximo de transparência no processo, permitir uma consulta pública e uma abertura para que efetivamente todos os envolvidos possam dar suas participações e, depois, termos tempo suficiente para avaliações dessas participações e a reposta adequada para a população – destaca o coordenador-geral de Programas Especiais Dipoa/MA, Maurício Goes Alves.

 

Fonte: Canal Rural