.........

ARROZNOTÍCIAS – MERCADO – Arroz: importação cresce e preço segue sem reagir

.........

Fonte:Paulo Lanzetta/ Embrapa Clima Temperado

Aumento de produção e cereal trazido do exterior elevaram oferta em 2,25 milhões de toneladas, enfraquecendo as cotações

As cotações do arroz em casca seguem fracas no mercado doméstico. Na média do Rio Grande do Sul, principal referencial nacional, a saca de 50 quilos do grão em casca era cotada a R$ 40,21 no dia 10, mesmo patamar da semana anterior. Em relação a igual período do mês passado, a queda é de 0,12%. Quando comparada ao ano anterior, a retração é de 20,55%.

Conforme o analista da consultoria Safras & Mercado Élcio Bento, os compradores seguem processando os grãos adquiridos durante a colheita e estão pouco ativos para novas aquisições. "Assim, a reticência dos vendedores em negociar aos atuais patamares não é suficiente para garantir uma maior firmeza às cotações", afirma.

O mercado segue com excesso de oferta em relação à demanda. Nos primeiros cinco meses da temporada, o comércio internacional contribuiu para uma elevação de 498,138 mil toneladas à disponibilidade interna quando se comparada ao mesmo período da temporada anterior. "Adicionando-se esse aumento à elevação da produção, que subiu de 10,535 milhões de toneladas na temporada 2016/2017 para 12,285 milhões de toneladas (+1,750 milhão de toneladas), verifica-se um aumento de 2,25 milhões de toneladas no total de arroz disponível para comercialização no país. Isto explica a fraqueza das cotações no país nesse momento", diz o analista.

Nos cinco primeiros meses da temporada iniciada em março, somente o Paraguai destinou 310 mil toneladas (base casca) do cereal para o Brasil, o que corresponde a um aumento de 29% sobre o montante do ano passado. Do Uruguai, ingressaram 150 mil toneladas, com aumento de 59% em relação ao acumulado no mesmo período do ciclo comercial passado. A Argentina elevou em 8% as vendas para o Brasil, acumulando 75 mil toneladas.

"O preço agressivo do arroz importado faz com que os compradores nacionais pressionem as cotações dos grãos em casca para seguirem competitivos", completa Bento.

 

Agência Safras

Fonte : Canal Rural