ARROZ – PARA COBRIR PREJUÍZO – Produtores gaúchos de arroz pressionam governo por linha de crédito

Delegação pede recursos para agricultores que tiveram perdas com excesso de chuvas e não estavam com a lavoura segurada. Alagamentos teriam atingido 1 milhão de hectares no RS

NOTÍCIAS RELACIONADAS
Enchentes no Rio Grande do Sul trazem danos para lavouras de arroz
Lavouras de arroz estão embaixo d’água no Rio Grande do Sul
Uma comitiva do Rio Grande do Sul esteve em Brasília nesta quinta-feira, dia 11, para negociar ajuda aos produtores de arroz prejudicados pelas fortes chuvas do fim do ano passado. A principal reivindicação é a abertura de uma linha de crédito especial para os agricultores que tiveram perdas e estão descobertos.

Apesar de reforçar a pressão junto ao governo federal, o setor admite que o pedido pode esbarrar no ajuste fiscal. "O Ministério da Agricultura é solidário à nossa proposta, mas fatalmente dependerá de uma mobilização política importante porque as restrições de orçamento estão se impondo a todas as áreas", afirmou o presidente da Federação das Associações de Arrozeiros do Estado do Rio Grande do Sul (Federarroz-RS), Henrique Dornelles.

Pela manhã, a delegação gaúcha apresentou números aos técnicos do ministério. De acordo com dados do Instituto Rio-Grandense do Arroz (Irga), os alagamentos atingiram 14% da área total cultivada no estado, de cerca de 1 milhão de hectares. Mais de 2 mil lavouras foram castigadas, basicamente na Fronteira Oeste e na Região Central. Além disso, em 3,6% da área, ou 39 mil hectares, houve perdas consolidadas.

Prejuízo

Segundo Dornelles, os problemas resultaram em até 700 mil toneladas perdidas, o que representa um prejuízo de R$ 500 milhões. Ele esclarece que a linha de crédito pleiteada não precisaria chegar a este valor, já que atenderia somente os produtores que estão "totalmente desamparados".

São aqueles que não se enquadram no Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf), não poderão buscar o alongamento normal de suas dívidas previsto no Manual do Crédito Rural (MCR) e tampouco têm seguro rural contratado.

"Ainda estamos mapeando para saber exatamente quantos produtores de fato precisariam da linha de crédito", disse. Ele defende que o prazo de pagamento seja de 8 a 10 anos.

Colheita

Os integrantes da comitiva querem continuar a negociação no fim deste mês, quando esperam receber no Rio Grande do Sul o secretário de Política Agrícola, André Nassar, ou a própria ministra da Agricultura, Kátia Abreu, na abertura oficial da colheita do arroz, que ocorrerá na cidade de Alegrete entre 18 e 20 de fevereiro.

"Queremos que eles estejam na abertura da colheita, mas não esperamos uma resposta sobre a linha de crédito na ocasião. Sabemos que vai demorar, que depende do Planejamento e da Fazenda", disse Dornelles.

O secretário da Agricultura do Rio Grande do Sul, Ernani Polo, que integrou a delegação gaúcha que esteve em Brasília, disse que nos próximos dias será formulado um documento oficial com as reivindicações do setor, para entregar preferencialmente à ministra Kátia Abreu na abertura da colheita.

Recursos

Por enquanto, a percepção é de que o governo reconhece a importância de evitar uma queda na área plantada no Rio Grande do Sul – que é o maior produtor nacional do cereal –, mas que a atual situação vivida pelo Brasil pode ser um empecilho para se chegar a um acordo. O Banco do Brasil seria provavelmente o agente financeiro responsável por operar a linha de crédito, mas os recursos teriam de sair do Tesouro.

"O governo tem justificativa para fazer esse investimento na produção. O arroz está mais caro fora do Brasil do que aqui", disse Dornelles, argumentando que não convém diminuir ainda mais a oferta nacional. "Mas, por mais nobre que seja a nossa batalha (pela linha de crédito especial), ela é difícil de ser vencida."

O setor está optando por concentrar forças nesta demanda específica. Está satisfeito com a liberação de R$ 10 bilhões para pré-custeio, dos quais R$ 2 bilhões devem ser absorvidos pelo estado. O mecanismo de incentivo à comercialização da safra também está assegurado.

"Nem tocamos nesse assunto porque está rodando muito bem, obrigado. Os bancos estão procurando os seus clientes e oferecendo, e está inclusive repercutindo positivamente no mercado", destacou Dornelles.

Fonte : Canal Rural