.........

AGRONEGÓCIOS – Remates de terneiros têm vendas mais fracas

.........

Desde abril, quando começou a temporada, foram negociados apenas 15 mil animais no Rio Grande do Sul

Desde abril, quando começou a temporada, foram negociados apenas 15 mil animais no Rio Grande do Sul

A comercialização direta, a queda no preço e as exportações de gado em pé reduziram significativamente o volume de terneiros nas tradicionais feiras de outono no Rio Grande do Sul. Desde abril, quando teve início a temporada remates deste ano, foram comercializados pouco mais de 15 mil terneiros e terneiras, ante mais de 32 mil no mesmo período do ano passado, de acordo com dados do Sindicato dos Leiloeiros Rurais do Estado (Sindiler-RS). Os preços, que na temporada passada variaram entre R$ 6,19 (machos) e R$ 5,82 (fêmeas) caíram, respectivamente, para uma média de R$ 5,50 e R$ 5,07 nos negócios feitos até o início de maio.

É neste cenário, não muito positivo sob a ótico de preços, que ocorre, no dia 27 de maio, a XV Feira de Terneiros e Vaquilhonas e VI Feira de ventres da Federação da Agricultura do Estado (Farsul), em Esteio, durante a XIII Feira de Nacional de Agronegócio do Sul (Fenasul). A feira tem como destaque 600 exemplares Angus e cruzas colocados à venda na pista J do Parque de Exposições Assis Brasil.

"A redução na oferta e na venda não significa menos gado no campo. A redução se deve diretamente ao preço baixo, que faz com que parte dos produtores nem coloque animais à venda. Também há boas vendas sendo feitas direto à indústria e entre os próprios pecuaristas, assim como aumento nas exportações de animais vivos, especialmente para Turquia e Líbano", explica o presidente do Sindiler-RS, Jarbas Knorr.

De acordo com o leiloeiro, levar o gado para remates tem custo elevado, o que amplia o risco de falta de retorno no atual cenário de crise e preços baixos. Além dos valores que terá de investir no frete, que não é baixo, sem a garantia de venda, diz Knorr, o animal que vai a comercialização em feiras ainda precisa ser castrado, o que também implica em gastos.

"No caso da exportação, não há custo de frete e nem de castração. Além da venda de terneiros, que já é comum, os compradores estrangeiros agora também estão levando terneiras. Isso não era usual e vai representar, ali adiante, menos fêmeas para procriar no campo. Esse é péssimo indicador para o futuro e que fatalmente reduzirá a oferta de gado mais adiante, se continuar", alerta o presidente do Sindiler-RS.

De acordo com o presidente da Comissão de Exposições e Feiras da Farsul, Francisco Schardong, a retração nas vendas também é reflexo da crise econômica como um todo. Já o vice-presidente da Farsul, Gedeão Pereira, ressaltou que apesar dos indicadores aparentemente negativos, a padronização de alta qualidade dos rebanhos e a boa oferta de animais no campo são as partes positivas do atual cenário da pecuária gaúcha. A parte ruim e mais preocupante no momento, disse Gedeão, está em outro fator: a alta incidência de carrapatos bovinos no Estado.

"O carrapato é um problema comum às raças britânicas, que predominam por aqui, e da nossa localização geográfica. É uma praga concentrada no Rio Grande do Sul, e em parte da Argentina e do Paraguai. Acima do paralelo 32 a doença não existe. É um problema concentrado, e que por isso não desperta interesse da indústria química em desenvolver novas formas de combate. Ou seja, precisamos um programa estadual de combate ao carrapato", reivindicou Gedeão.

Ernani Polo, secretaria de Agricultura, que estava presente no evento, que disse ter na pasta um programa de combate a esse parasita praticamente pronto e que será anunciado em breve. Ao mesmo tempo em que reivindicou uma ação do Estado, a Farsul porém, lembrou da parcela de responsabilidade do produtor na disseminação dessa praga e em falhas no combate ao problema de forma individual.

"Há produtores que, em vez de procurar um veterinário quando se depara com o carrapato, recorre a um representante comercial de um indústria e chega a usar quatro produtos diferentes ao longo de um único ano porque nada dá certo. O produtor precisa é recorrer a um profissional para ter o diagnóstico e o remédio correto", complementou Schardong.

Produtores esperam para hoje novidades sobre o Funrural

Pode sair hoje a resposta da União a uma possível dívida bilionária do setor do agronegócio: a cobrança retroativa do Fundo de Assistência ao Trabalhador Rural (Funrural). A contribuição era questionado há mais de cinco anos na Justiça e, em abril, foi considerada constitucional pelo Superior Tribunal Federal (STF). O Funrural prevê contribuição previdenciária de 2,1% sobre a comercialização pelo empregador rural pessoa física e foi tema, ontem, de reunião em Brasília entre o presidente da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), João Martins, representantes das federações estaduais e da Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA).

Martins relatou ao grupo que, em encontro que manteve com o presidente Michel Temer, apresentou a proposta de que os produtores que acumularam dívidas com o Funrural, ao longo dos últimos anos, possam pagá-las sem juros e correção monetária e de forma parcelada. Ontem, no lançamento da XV Feira de Terneiros e Vaquilhonas e VI Feria de Ventres da Federação da Agricultura do Estado (Farsul), o vice-presidente da entidade, Gedeão Pereira, ressaltou que é possível que, hoje, Temer apresente a posição da União sobre o tema e a forma como será feita a cobrança.

"Dependendo da forma como se fará essa cobrança, muitos podem quebrar. Sem contar que, ao longo do tempo, parte da cadeia recolheu o imposto e outra não. Ou recolheu não repassou. São muitas as dúvidas e problemas, dado o tempo que assunto ficou em discussão e ao entendimento primeiro do STF de que a cobrança era ilegal. Isso fez com que muitos relaxassem no recolhimento do tributo", alerta Gedeão.

ABA/ABA/DIVULGAÇÃO/JC

Thiago Copetti

Fonte : Jornal do Comércio