AGRONEGÓCIOS – Arrozeiros articulam-se contra queda no valor da saca

Ato realizado em Restinga Seca reuniu cerca de 1,6 mil participantes

Ato realizado em Restinga Seca reuniu cerca de 1,6 mil participantes

/

Ato em defesa dos produtores de arroz, organizado pela comissão Te Mexe Arrozeiro 2018, reuniu cerca de 1,6 mil pessoas em Restinga Seca nesta quarta-feira. O evento foi realizado para definição de pautas de reivindicação, buscando a reestruturação da produção de arroz nacional e a valorização do grão no mercado interno, que sofreu queda de 33% no preço.

Entre as pautas principais estão o corte das importações de arroz do Mercosul até que haja igualdade tributária, ambiental e de legislação ambiental. O movimento também reivindica o adiamento dos pagamentos vencidos e a vencer até que existam condições favoráveis, entre outros itens.

De acordo com Ciro Alberto Kuhnen, membro da comissão organizadora do Te Mexe Arrozeiro 2018, a situação atual dos orizicultores é o endividamento. "Hoje, o produtor gasta cerca de R$ 44,00 por saca e, na maioria das vezes, não consegue vender por mais de R$ 30,00", diz Kuhnen.

Membros de entidades do agronegócio também estiveram presentes na manifestação. O presidente da Farsul, Gedeão Silveira Pereira, ressaltou a importância do evento, mas acredita que solução a curto prazo já foi conquistada, com os leilões de PEP e Pepro balizados com recursos do governo federal, anunciados na terça-feira. "Isso irá evitar a queda do preço arroz a curto prazo", disse. O ato segue ao longo desta semana.

GUILHERME ISOPPO/DIVULGAÇÃO/JC

Pedro Carrizo

Fonte : Jornal do Comércio