.........

AGRONEGÓCIOS – Apoio à modernização da inspeção sanitária cresce

.........

 

Mudanças propostas estão de acordo com as normas da OIE

Mudanças propostas estão de acordo com as normas da OIE

/ROOSEWELT PINHEIRO/ABR/JC

A Federação das Associações de Municípios do Estado (Famurs) e outras 12 entidades do setor produtivo entregaram ontem uma Carta de Apoio ao PL 125/2017 ao presidente da Assembleia Legislativa, Edegar Pretto. O projeto trata da modernização do sistema de inspeção sanitária e industrial dos produtos de origem animal do Rio Grande do Sul.

Um dos signatários do documento, presidente do Fundesa, Rogério Kerber, afirma que "é chegada a hora de fazer a modernização e o fortalecimento do serviço de inspeção de produtos de origem animal, pensando em todos os elos que compõem o sistema". O projeto de lei abre a oportunidade para que médicos veterinários capacitados sejam habilitados pelo Serviço Oficial somente para a inspeção sanitária ante e post mortem, para garantir que os animais estejam em condições de serem direcionados ao consumo sem riscos à saúde pública.

Conforme Kerber, a modernização proposta está dentro das recomendações da Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) e já é utilizada em diversos países desenvolvidos. O objetivo, além de suprir a carência de fiscais agropecuários para atender a pedidos de abertura e ampliação de indústrias é liberar parte dos fiscais agropecuários para atender às demandas do Susaf. Este ponto é destacado na Carta de Apoio, aprovada em reunião de prefeitos e entidades no último dia 19. Conforme o documento, "com a inserção de mais médicos veterinários no sistema, o Estado poderá intensificar os processos de auditoria e fiscalização no Sistema Unificado Estadual de Sanidade Agroindustrial – Susaf, aumentando a competitividade de agroindústrias que hoje apenas podem vender seus produtos no município, podendo com a inclusão no Susaf ampliar suas vendas para todo o Estado".

De acordo com o documento, assinado também pela Secretaria Estadual da Agricultura, Fetag, Farsul, Sindilat, Sips, Conagro, Apil, Sicadergs, IGL, AGL e Acsurs, o projeto representa um avanço ao permitir mais agilidade ao sistema, destravando novos projetos e ampliações das atuais indústrias, gerando mais empregos e retorno de impostos aos municípios, além de alavancar o sistema produtivo municipal.

Fonte : Jornal do Comércio