.........

Agronegócio brasileiro perde US$ 5 bilhões na logística, diz Pedro Parente

.........

Dados apresentados pelo ex-ministro apontam que os gargalos na cadeia trazem uma diferença de US$ 70 por tonelada de grãos exportada pelo Brasil em relação aos EUA

Divulgação

Foto: Divulgação

Nível de investimento em logística e infraestrutura ainda é muito baixo para o escoamento da produção

O agronegócio brasileiro perde cerca de US$ 5 bilhões por ano com a baixa eficiência logística, principalmente no transporte de grãos, de acordo com cálculos da Bunge Brasil, apresentados nesse sábado, dia 22, pelo presidente da companhia, o ex-ministro da Casa Civil e do Planejamento Pedro Parente.

– Esse valor poderia ser incorporado na renda do produtor – disse Parente, durante o Fórum Nacional de Agronegócios, em Campinas (SP).

Segundo ele, o Brasil tem potencial para atender às necessidades de alimentos e energia do mundo, mas, "por outro lado, temos na logística o gargalo muito importante". Dados apresentados por ele no evento apontam que os gargalos na cadeia trazem uma diferença de US$ 70 por tonelada de grãos exportada pelo Brasil em relação aos Estados Unidos, por exemplo.

Na avaliação de Parente, o país tem capacidade de atingir uma produção de 200 milhões de toneladas de grãos só de milho e soja, ante as cerca de 140 milhões de toneladas atuais dos dois grãos e um total de 165 milhões de toneladas da safra inteira. No entanto, segundo ele, o nível de investimento em logística e infraestrutura ainda é muito baixo para o escoamento desse volume.

Para o presidente da Bunge, no entanto, o governo "já está acordando para isso e começou a destravar o processo", com o pacote de medidas para a infraestrutura e a criação da Empresa de Planejamento da Logística.  Segundo o executivo, a perspectiva de o país atingir uma produção de 200 milhões de toneladas dos dois grãos não está muito longe, principalmente pelo avanço na produção do milho.

– O milho deixou de ser cultura oportunista e agora é encarado como um produto nobre, como a soja – avaliou.

Sobre a safra 2012/2013, que começa a ser plantada, Parente avaliou que as previsões do mercado apontam para recordes de produção no Brasil.

Etanol
Parente, que na semana passada cobrou do ministro da Fazenda, Guido Mantega, medidas para dar competitividade ao etanol, afirmou que o embate entre o setor sucroalcooleiro e o governo não resolverá o problema e ratificou os planos de investimentos da companhia no setor.

– Nós, da Bunge, estamos há 107 anos no Brasil, temos visão de longo prazo e a gente acha que, pela relevância, essas questões conjunturais que afetam a questão do etanol no país serão resolvidas – afirmou.

Agência Estado

Fonte: Ruralbr