.........

AGRICULTURANOTÍCIASRURAL NOTÍCIAS – DEGRADAÇÃO – Menos de 10% dos produtores do RS adotam práticas de conservação do solo

.........

Fonte:Pixabay/divulgação

Governo do estado cria programa para incentivar boas práticas e já pensa em remunerar produtores que cuidam bem da terra 

Menos de 10% dos produtores do Rio Grande do Sul adotam práticas para a conservação do solo. O dado é tão preocupante que o governo do estado vem treinando agricultores para aprimorar o manejo.

Cuidar do solo ao longo de todo o ano aumenta a produtividade e diminui as perdas. Em anos de seca, por exemplo, um agricultor com boa estrutura de solo pode perder até 20% da produtividade. Já quem não tem os mesmos cuidados pode perder até metade do rendimento.

O problema é que apenas uma pequena parte dos agricultores tem essa preocupação com o solo. Um programa criado pela Secretaria de Agricultura do Rio Grande do Sul que mudar isso, e já mostrou para mais de 3 mil produtores quais as práticas que ajudam a conservar solo e água. O próximo passo é bonificar quem fizer isso de forma exemplar.

O secretário de Agricultura do estado, Ernani Polo, afirma que vêm mantendo diálogo com a Agência Nacional de Águas (ANA) para criar um modelo de pagamento para quem se preocupa com o solo. “Eu acho que é justo remunerar aqueles que cuidam, que fazem a sua parte”, diz.

Polo afirma que há muitos terrenos degradados que precisam de recuperação em território gaúcho. “Temos áreas com um fator limitador, que é a compactação e a gente precisa trabalhar muito isso”, diz.

O volume de chuva nem de longe é um problema para o produtor gaúcho, pois há água em boa quantidade. De acordo com o secretário, em regime de chuvas, o estado estaria em pé de igualdade com as áreas produtoras de soja nos Estados Unidos e na Argentina, com volume em torno de 700 milímetros por ano. “Nosso principal gargalo hoje é fazer com que essa água fique mais armazenada no solo”, afirma.

Para que isso ocorra de forma eficiente é preciso ter o que o engenheiro agrônomo Dirceu Gassen chama de “solo atleta”, uma terra que nunca pare de produzir. Ele afirma que a qualidade do solo pode ser verificada pelo número de dias em que permanece com cobertura vegetal cultivada.  “Eu colho uma cultura, vou plantar outra, e, entre essas duas culturas, eu vou fazer a preparação do atleta solo”, afirma.

Gassen recomenda cultivos como braquiária, aveia, nabo, milho, milheto ou mesmo arroz plantado como adubação verde, em um período de dois meses para construir estrutura da terra. O objetivo é melhorar a estrutura do solo, permitindo que a água infiltre.

  • Bruna Essig, de Não-Me-Toque (RS)
  • Fonte : Canal Rural