.........

Campo e Lavoura – Agricultura urbana – Moradores de Canoas cultivam horta em área de risco

.........

Hortaliças e grãos são plantados sob redes de alta tensão de energia elétrica

Moradores de Canoas cultivam horta em área de risco Félix Zucco/Agencia RBS

Excedente da horta se transforma em fonte de renda para a comunidade localFoto: Félix Zucco / Agencia RBS

Embaixo de uma rede de alta tensão de energia elétrica, em Canoas, 21 famílias do bairro Guajuviras encontraram uma maneira de economizar na compra de alimentos e, em alguns casos, uma nova fonte de renda. Cadastrados em um programa social da prefeitura, os moradores cultivam hortaliças e grãos em duas hortas comunitárias – divididas por lotes individuais.

Boa parte da produção orgânica é para consumo próprio e o excedente é vendido na própria vizinhança.

– Somos duas pessoas lá em casa, então acaba sobrando muita coisa. Vendo na comunidade mesmo – conta Rui Flores, 49 anos.

Trabalhador do polo petroquímico no passado, Flores nunca foi agricultor. Mas, com ajuda de técnicos da Emater, passou a cultivar produtos como aipim, couve, tomate, batata doce e quiabo. Para outros moradores, o contato com a terra não é algo novo.

– Me lembro da lavoura, das vacas de leite e dos chiqueiros na propriedade da minha família – recorda Tereza Fátima da Rosa Eckardt, 56 anos, de Crissiumal. Há quase 30 anos em Canoas, Tereza não lembra da última vez que precisou comprar hortaliças em supermercados.

Leia mais:

Agricultura ganha espaço em centros urbanos no Rio Grande do Sul

– E não se compara o gosto do que produzimos aqui – diz. As duas hortas comunitárias do bairro Guajuviras integram um projeto da prefeitura de Canoas e da Companhia Estadual de Energia Elétrica (CEEE), desenvolvido há dois anos. Nos dias de chuva, os moradores são proibidos de trabalhar na horta, pelo perigo de raios no local.

– A horta evita ocupações irregulares na área de risco e, ao mesmo tempo, é uma ação social para as famílias – destaca Marta Maciel de Sena, coordenadora das duas hortas do bairro. Como a maioria dos moradores não tem outra renda e ocupação, a plantação representa um espaço de convívio.

– Somos como uma família. Trabalhamos na hora de trabalhar e nos divertimos nos momentos de descontração – conta Marta.

Técnicas caseiras de produção orgânica

A agricultura tem chegado a áreas urbanas com ajuda de assistência técnica, oficinas e cursos. A atividade requer busca de conhecimento, especialmente quando envolve a produção orgânica.

– Há muitas técnicas caseiras que podem ser feitas por qualquer pessoa – explica Roberto Schenkel, assistente técnico da Emater em Canoas. A entidade promove ações para disseminar informações em torno da agricultura urbana, com orientações básicas e cuidados com as plantas cultivadas dentro de casa, por exemplo. A ideia, a médio prazo, é identificar o perfil dos agricultores urbanos no Estado.

– As plantas podem ocupar espaços muitas vezes ociosos dentro de casa ou em quintais, proporcionando um contato direto com a natureza – completa Schenkel.

Por: Joana Colussi

Fonte : Zero Hora