A falta de planejamento dos usos da água espalha drama da seca por quase todo o Brasil

Brasília (11/08/2015) – O Dr. Marlos de Souza atualmente é secretário na Plataforma de Recursos Hídricos, Divisão do Solo e da Água, da Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO), em Roma, Itália, e vem à Brasília, no próximo dia 18 de agostos, para falar no “Seminário Água em Debate – Uso Sustentável da Água na Agricultura: Desafios e Soluções”, organizado pela Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA).

Além da experiência de produtores rurais que utilizam sistemas de irrigação e de pesquisadores e especialistas governamentais, o evento traz para o debate representantes de órgãos de países que fazem planejamento para lidar com gestão e escassez de água. A diretora de Desenvolvimento Rural da Califórnia do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos, onde os recursos hídricos limitados exigem planejamentos rigorosos para evitar o desabastecimento, Glenda Humiston, vai falar sobre a “governança da água nos EUA”. De Israel, país emblemático na gestão dos recursos hídricos, vem o especialista em tratamento de águas residuais e reutilização, Avi Aharoni, da Mekorot- Companhia Nacional de Água de Israel.

Radicado na Austrália, por muitos anos, o brasileiro Marlos de Souza é doutor em gerenciamento de recursos hídricos e pós-doutor em modelagem matemática aplicada aos recursos hídricos, títulos obtidos em instituições de Melbourne, na Austrália, país onde foi diretor de Limites do Uso Sustentável, da Divisão de Planejamento e Políticas Públicas, da Agência da Bacia dos Rios Murray-Darling. Ele explica que em todo o planeta são comuns as variações climáticas, a intensidade delas também varia periodicamente. Os dados históricos de chuvas e vazão de rios devem ajudar a compreender as variações e, segundo Marlos, permitem o planejamento para evitar situações de extremas dificuldades para a população. “Situações extremas têm muito mais a ver com a falta de planejamento sério por parte dos governos do que pela seca prolongada”, acrescenta.

A crise hídrica se apresenta em situações pontuais, mas em lugares de grande relevância e impacto econômico e social. Grande parte do Brasil vem sofrendo com a crise hídrica. Nos últimos 80 anos, não há registro de uma crise tão intensa como a que tem sentido o estado de São Paulo, onde as notícias de falta de água em residências expressam o constrangimento de parte numerosa da população. A seca que sistematicamente castiga a região do semiárido nordestino, conhecida no Sudeste apenas em reportagens, se apresentou com todos os seus dissabores à população.

A CNA está promovendo o Seminário para estimular o debate e apresentar propostas para o planejamento público sobre o uso racional da água. As inscrições estão abertas emhttp://canaldoprodutor.com.br/inscricaoseminarioaguanaagricultura e o evento será transmitido online, em tempo real, pelo site www.canaldoprodutor.com.br.

Fonte : Canal do Produtor